23.6.17

Auto da Lua Crescente se apresenta no Amostra Aí

Além da contação de história com Nanan Falcão, Adriana Cruz e Cincinato Jr, a programação deste Amostra Aí conta com o grupo Auto da Lua Crescente, da Fundação Curro Velho, que apresentará “O Presente de Sinhazinha”. Neste sábado, 24, a partir das 18h30, no Casarão do Boneco - Av. 16 de Novembro- 815. Ingresso é Pague o Quanto Puder.

Projeto cênico que vem se desenvolvendo há três anos, no Curro Velho, o Auto da Lua Crescente teve origem em uma oficina em que se trabalhou a pesquisa sobre folguedos populares, que se tornou a linguagem principal do grupo. 

Desde então apresentam espetáculos teatrais inspirados na cultura popular, sempre embalados por cancioneiro e ritmos principalmente paraenses, mas também sendo inspirados por grandes artistas brasileiros, como Clara Nunes, Jakson do pandeiro, Antonio Nobrega, entre muitos outros.

Neste mês de junho, o Auto da Lua CRescente traz como brinquedo, os folguedos juninos tradicionais. Encenando "O Presente de Sinhazinha", uma comédia de boi bumbá, o grupo homenageia os grandes mestres desse gênero popular.

História de guarda-roupa pra começar

Antes da apresentação do Auto da Lua Crescente, o público assiste duas contações de histórias. “As histórias que meu guarda-roupa guarda”, Nanan Falcão re-conta os fios que tecem a linha de tempo da humanidade se perguntando: Imaginem se as roupas falassem? 

O que aquela blusa de duas décadas atrás contariam sobre você? E aquele vestido de sua avó, como ele contaria a história de sua família? A atriz  traz várias narrativas, construídas a partir de sua pesquisa pessoal com figurino, que passa pela China, onde descobriram a calça mais antiga do mundo, até as costuras da atual América, com calças Saruel.

E aquela sobre uma Festa no Céu

Em seguida, “A Festa no Céu”, com Adriana Cruz e Cincinato Jr., traz um sapo que arma de tudo para chegar numa festa para bichos voadores, sem ser convidado. "Conto esta história como os antigos, lendo e brincando com o livro, com muita musicalidade, acompanhada do músico Cincinato Marques Jr. ao violão", diz Adriana Cruz. 

Produção e comidinhas

A produção do Amostra Aí fica por conta de Leonel Ferreira, Paulo R. Nascimento, Lucas Alberto, Fátima Sobrinho, Thiago Ferradaes, Maurício Francco, integrantes do coletivo que ocupa a casa. Tamb[em tem comidas típicas juninas e veganas com Alimentação Gentil, os doces da dona Socorro e o tradicional chopp da dona Simone do Bairro de Fátima. 

AMOSTRA AÍ

18h30 - As histórias que meu guarda-roupa guarda
19h00 - A festa no céu
19h30 - O Presente de Sinhazinha

Serviço
Amostra Aí. Dia 24 de junho, às 18h30. No Casarão do Boneco - Av. 16 de Novembro, 815, próx. Praça Amazonas. Ingresso: Pague O Quanto Puder. Mais informações: (91)32418981/ salvecasarao@inbust.com.br. Apoio: Holofote Virtual/ Padaria 16 de Novembro.

22.6.17

Três shows e dois lançamentos na Casa do Fauno

A Casa do Fauno apresenta programação de quinta a sábado, anote: Tem show do músico compositor Marcelo Sirotheau, nesta quinta, 22. O Arraial do Fauno, na sexta, 23,  recebe Renato Lú, que traz a música amazônica de seu novo trabalho "Arraial das Abelhas". E no sábado, 24, tem os lançamentos do livro "Ovo de Osga", de Ailson Braga, obra premiada e que traz contos que se passam no mês de junho, e da coleção "Lençóis de Cetim", da Loboho, com show de Danniel Lima.

Marcelo Sirotheau é médico,músico e compositor com 18 anos de carreira musical. O show "Canções à meia Luz", conta com participação da cantora Patrícia Rabelo. No repertório o músico mostra seus trabalhos inéditos, sucessos da música brasileira e ainda faz homenagem ao músico e compositor Chico Buarque, que aniversariou esta semana.  

Marcelo possui várias de suas canções gravadas por importantes nomes da música paraense, como Vital lima, Pedrinho Cavalléro, Alba Maria, entre outros. Atualmente vem trabalhando no roteiro da Opereta “Ilusão Maquiada” e no lançamento do Cd “Fantasiado” , também autoral, em parceria com Jorge Andrade.

Um arraial com Rentao Lú

Na sexta-feira, 23, a partir das 22h, o Arraial do Fauno recebe o cantor e compositor Renato Lu. O artista apresenta o trabalho de novo álbum intitulado “Arraial das Abelhas”, resultado de uma pesquisa profunda acerca da musicalidade Brasileira, mesclado aos ritmos Amazônicos. 

Renato Lu é cantor e compositor paraense, com trajetória musical iniciada nos anos 90, participando dos principais festivais de musica do estado. Esteve presente nos principais acontecimentos culturais do cenário paraense. Como interprete de Bandas locais, ou cantando na noite. 

Histórias com bençãos juninas

"Ovo de Osga" é o segundo livro do jornalista, escritor e ator Ailson Braga, que recebeu na categoria Conto, o Prêmio Dalcídio Jurandir de 2013, e obteve a publicação pela Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves. O livro ganha um lançamento na cidade, neste dia 24 de São João, a partir das 20h, na casa do Fauno. Entrada franca. 

O livro tem seis contos, 83 páginas e custa R$ 20. As histórias se passam todas no mês de junho. O clima e a geografia paraenses são "personagens" de todas as seis narrativas. As influências de Dalcídio Jurandir e Raul Bopp são claras e evidenciadas nesse livro. As memórias de infância, relatos feitos ao autor e notícias de jornal foram as matérias-primas dos contos de "Ovo de Osga".

Música e Moda

Já no sábado, 24, a partir das 22h, tem show com lançamento da nova coleção de acessórios da Loboho e show de Danniel Lima, na Casa do Fauno. O show "Lençóis de Centim" é título da faixa lançada num EP em comemoração aos seus 8 anos de carreira, e também serviu de inspiração para a marca de acessórios femininos e masculinos da Loboho. 

O trabalho musical do artista inspirou uma coleção que misturou paleta de cores do clipe do artista. São elementos visuais e sonoros, com texturas entre materiais como couro, pedras brutas e pedrarias lapidadas, que têm como objetivo de transmitir, em objetos, as mensagens que o músico passou em sua obra, provocando o mesmo sentimento de sedução e todo cheio de si, como lençóis de cetim. 

“Lençóis de Cetim” é composição de Débora Vasconcelos, que tornou-se sucesso nas rádios locais levando a produção de um vídeo clipe pela Platô Produções (Web Série “Sampleados”). Já Danniel Lima é compositor e intérprete da nova cena musical, finalista de diversos festivais e traz na bagagem shows sucesso de público como o autoral “Universo Paralelo”, a releitura jazzística de Cazuza chamada “Com Sabor de fruta Mordida”, uma visão Pop com releituras em Rock, brega e até reggae da obra de Roberto Carlos, “#OREIEEU”, entre outros. 

Serviço
Casa do Fauno - Rua Aristides Lobo, 1061, entre Benjamin e Rui Barbosa. Couvert R$ 15,00. Mais informações e reserva de mesa pelo fone 98705.0609.

20.6.17

"Retumbante Natureza Humanizada" em catálogo

Luiz Braga lança o catálogo da exposição "Retumbante Natureza Humanizada", no Museu de Arte Sacra, em Belém, nesta quarta-feira (21), às 19h30. A publicação tem editoração e projeto gráfico de Paulo Maurício Coutinho, com selo da Secretaria de Estado de Cultura, e será vendido por R$ 50,00. Um vídeo de sete minutos, de Thiago Peales, que rememora a mostra, será projetado na ocasião do lançamento, e haverá música ao vivo com Luiz Pardal e Trio. Entrada franca.

Nas páginas, memórias da mostra que teve curadoria de Diógenes Brandão e de demais colaboradores como os professores da UFPA Ernani Chaves e Alexandre Sequeira, que fizeram uma palestra sobre a obra do artista; do historiador e professor também Michel Pinho, que realizou uma caminhada pela Cidade Velha; da curadora Rosely Nakagawa; do poeta João de Jesus Paes Loureiro e do músico Salomão Habib; da fotógrafa Irene Almeida; da cineasta Jorane Castro. 

A escolha de Luiz em lançar a publicação apenas este ano da mostra que ocorreu entre setembro e novembro do ano passado, no Museu do Estado do Pará (MEP), de deve ao fato da espera ter suas vantagens para maturar ideias a respeito do produto. Ele diz que assim foi ideal para se debruçar sem pressa sobre o conteúdo e sobre os detalhes do livro - que traz imagens das obras expostas e frases dele, do curador e de visitantes.

"A ideia foi fazer um catálogo que não tivesse apenas as obras, mas todo o processo de realização da mostra, da montagem, da visitação e da programação com um todo. Foi uma forma que encontrei de fazer o livro de forma mais serena, sem estar no meio do trabalho, já que a ideia inicial era lançá-lo ao término da mostra", comenta Luiz Braga.

Itinerância e desdobramentos 

O vídeo com direção de Thiago Pelaes pode ser transformado em documentário, que mostrará um outra etapa da carreira de Braga - quando o artista chega aos 60 anos. O realizador pretende unir o que gravou durante os meses que acompanhou a exposição e  já tem em mãos a carta Tó Teixeira.

A expectativa agora é fazer com que as mais de 100 imagens retiradas de seu extenso acervo, feitas entre 1976 e 2004, todas guardadas no Estúdio de Luiz Braga, e que não serão comercializadas, circulem pelo Brasil. A próxima cidade que receberá a mostra é Goiânia, na programação do Goyazes - Festival de Fotografia, a ser realizado em setembro.

Mais de 200 exposições 

É este o recorde do fotógrafo que já realizou diversas individuais e coletivas no Brasil e no exterior, tendo suas fotografias em coleções públicas e privadas importantes, como a do Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, do Centro Português de Fotografia, do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro e da Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre outras. Em 2005, comemorou 30 anos de carreira abordando os diversos segmentos de sua obra na mostra Retratos Amazônicos, no MAM/SP, e na exposição Arraial da Luz, a maior de sua carreira, montada ao ar livre num parque de diversões em sua cidade natal, a qual recebeu mais de 35 mil visitantes. Em 2009, foi um dos representantes do Brasil na 53ª Bienal de Veneza. 

LP traz "Canções urbanas praianas existenciais"

Abrindo as energias de novo projeto, o Casulo Cultural convida LP e suas canções urbanas, praianas, existenciais para uma noite de música na sexta (23), a partir das 18h30, com performance de Cleber Cajun. “É o registro de um percurso artístico, musical, existencial e afetivo culminando neste ano”, afirma o cantor e compositor LP.

O show é uma prévia do cd que está em processo de gravação, com o nome canções urbanas praianas existenciais. “LP é uma alusão às iniciais do meu nome, assim como uma fundamental homenagem e dedicatória aos discos de vinis os chamados LP’s Long Plays”, explica Luizan. Ele será acompanhado no show por uma harmonia musical que integra  violão, flauta, gaita, caixa, tambor, sax, e até um pedaço de cano, com os músicos Luizan Pinheiro (violão e voz), Melk Moraes (percussão e voz), Luany Ferreira (flauta), Gabriel Pinheiro (banjo), Cliverson Luiz (violão e voz).

O artista vai apresentar canções autorais que trazem consigo influências de Caetano Veloso, Lô Borges, Beto Guedes, Paulo Leminski, Travis, Radiohead, e citações que surgiram no tempo dos acontecimentos compositivos: Drummond, Bukowski, Max Martins. 

Outros lugares como Tamaruteua, Vigia, Belém, Rio de Janeiro, as praias de Algodoal, Mosqueiro, Ajuruteua também inspiraram esse novo repertório.  Parcerias musicais como de Renato Torres, Di Poeta, Ricardo Smith, a companhia de Gleidson Carrera, Clyverson Luis, Gabriel Pinheiro, Luany Ferreira e Melk Moraes fazem também parte desse universo musical e poético do LP. 

“Acontecidos num tempo de instabilidade fluidez perplexidade desse olhar pro mundo, cidades, praias e coisas que nos tocam de algum modo. Estética da existência e vida artista a se afirmarem nas intensidades dos dias em canções: poesia e música, sonoridades e timbres, influências tantas da música brasileira e coisas que a-pareceram necessárias e aleatórias”, poetiza LP.

Casulo Cultural - O Casulo convida é um dos projetos do Casulo Cultural, um espaço que surgiu da necessidade de um ‘lugar’ que proporcione encontros, vivências e relações entre as pessoas e as ideias, para a difusão e construção de saberes, onde o trabalho coletivo e a difusão de conhecimentos artísticos e culturais possam alçar outros voos, com a proposta de criar diálogos entre diferentes linguagens artísticas e discussões político-culturais.

A ideia é abrir espaço para novas canções, músicos e compositores para uma troca com o público, em um espaço colaborativo e independente de arte. O Casulo está localizado nos altos de um antigo casarão de esquina, no bairro da Campina, parte do centro histórico de Belém, que sofreu um processo de descaracterização e degradação, onde se desenvolveu o centro comercial da cidade, no cruzamento da travessa Frutuoso Guimarães com a rua Riachuelo, conhecida historicamente como a zona de meretrício da cidade. 

Hoje o bairro abriga diversas casas de artistas, que tem contribuído com uma tentativa de revalorização dessa área a partir de ações culturais voltadas para a comunidade. O espaço prioriza ações em várias linguagens, de circulação entre diferentes tipos de artistas, comunidades e ativistas políticos-culturais: um público extremamente diversificado em termos de número, gênero e idade.

Serviço
Casulo convida LP nesta sexta, dia 23, às 18h30, no Casulo Cultural - trav. Frutuoso Guimarães nº 562, esquina com trav. Riachuelo, altos. Mais informações na fanpage facebook/casulocultural. Entrada gratuita.

18.6.17

Em debate a política cultural e gestão de espaços


Gestores que partciparam da oficina de “Planejamento de Gestão em Espaços Culturais e a Relação com a Cidade”, trouxeram informações sobre projetos, manifestações e ações culturais em Ananindeua, Icoaraci, bairros da Campina e Cidade Velha, e a UFPA, e município de São Caetano de Odivelas. Na próxima quinta-feira, dia 22, a segunda oficina, "Exercício de Gestão em Espaços Culturais", é direcionada a artistas de todas as linguagens e agentes culturais.

Ministrada por Elis de Miranda, na última quinta-feira (15), no Casarão Viramundo, a primeira oficina foi estabelecida uma grande troca e iterlocução de ideias e relatos de experiência em gestão cultural e entendimento de uma relação com a cidade e ainda sobre políticas públicas de cultura. Elis inicia a conversa com os participantes, apresentando um pouco de seu trabalho e a experiência com um projeto que desenvolve no Rio de Janeiro. 

Os participantes em seguida apresentam seus projetos, suas ações e vivências culturais. Feito isso, cada um deles é convidado a fazer uma cartografia dessas informações, estimulando um debate acerca destas ações, projetos e manifestações culturais,  tanto as que desenvolvem quanto as que se relacionam, identificando suas maneiras próprias de existir  x o que recebem de apoio ou incentivo público para se manterem, aprofundando suas pesquisas, produzindo e repassando também, conhecimentos culturais, alguns deles tradicionais e ancestrais, como o Boi de Máscaras de São Caetano de Odivelas e o carimbó de Icoaraci. 

Na primeira oficina, são, por fim, identificados os gargalos, mas também onde há diálogos possíveis de trocas e parcerias. Na oficina Exercício de Gestão em Espaços Culturais˜, a ideia é mapear metodologias de gestão de espaços coletivos, a partir de exemplos trazidos ou vivenciados pelos participantes, a fim de proporcionar articulações internas ainda não percebidas, identificar pontos convergentes entre os envolvidos e outros grupos, que atuam na cidade, buscando sua relação com outras instâncias do Estado e da Sociedade.



Elis de Miranda é paraense e vem compartilhando com Belém, essa experiência com o projeto Galpão Cultural da Universidade Federal Fluminense em Campos dos Goytacazes (RJ), do qual participou na concepção e atua como coordenadora. 

É professora do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Ambiente e Políticas Públicas (PPGDAP/UFF/CAMPOS), Doutora em Planejamento Urbano e Regional, pelo IPPUR\UFRJ, e atualmente desenvolve pesquisa como Pós-Doc no Núcleo de Altos estudos Amazônicos (NAEA/UFPA).

A realização das oficinas é fruto de uma articulação do NAEA\UFPA, por meio de Elis de Miranda, em parceria com o Casarão Viramundo, e apoio do Circular Campina Cidade Velha e do blog de arte, cultura e mídia Holofote Virtual (blogspot).

FICHA DE INSCRIÇÃO
Exercício de Gestão em Espaços Culturais. 
Dia 22 de junho
Das 15h ãs 21h. 

Nome completo:
Idade: 
Coletivo que participa: 
Experiência artística: 
Interesse na oficina: 
Contatos:

Serviço
Ainda há algumas vagas para esta segunda oficina. Para realizá-la, é necessário preencher os dados acima, copiar e colar enviando para o e-mail: holofotevirtual@gmail.com. Daí é só aguardar a confirmação. O valor é R$ 10,00, que podem ser pagos no local. O que for arrecadado será revertido a manutenção do Casarão Viramundo.  Trav. Capitão Pedro Albuquerque, n. 318, Cidade Velha (entre Rodrigues dos Santos e Ângelo Custódio). 

16.6.17

Evento discute e Economia Criativa na Amazônia

Criado com o intuito de dinamizar e valorizar a Economia Criativa feita na Amazônia, o evento será realizado durante dois dias, reunindo empreendedores, artistas e indivíduos criativos, convidados a debater, trocar experiências e saberes, numa programação de palestras, grupos de trabalho, oficinas e apresentações artísticas musicais. Nos dias 22 e 23 de junho, no espaço Oficinas Curro Velho, das  9h às 17h.

A organização do 1o Encontro Amazônico de Economia Criativa ressalta que será um momento de conhecimento e reconhecimento dos atores sociais, que estão movimentando a esfera da Criatividade humana que envolve cultura e técnica. A programação traz palestras, oficinas e apresentações artísticas, como teatro, dança e shows musicais, que ocorrerão no final da tarde.

Entre as programações artísticas já confirmadas está o show dos guitarristas Lucas Estrela, Félix Robatto e Uaná System, que também receberão o músico Robertinho Barreto, guitarrista e fundador da banda Baiana System (BA). O Encontro também contará com Feirinha Criativa (artesanato, moda e acessórios), Feirinha da Broca e Food Trucks.

As atividades irão funcionar na forma de grupos de trabalho. Ao todo, serão 10 setoriais criativos que contarão com apresentação de projetos específicos e práticas em conjunto. Os setoriais são: música; design; dança; teatro; artes visuais; arquitetura; audiovisual; tecnologia; estudos e pesquisa em cultura e cultura alimentar. Cada setorial será coordenado por um profissional atuante na área.

Para participar, os interessados devem acessar o site www.amazoniacriativa.com, preencher o formulário com seus dados pessoais e gerar um boleto no valor de R$ 50,00, que também pode ser pago no cartão de crédito. Estudantes pagam meia, mediante comprovação na entrada do evento.

O período das inscrições vai até o dia do evento, ficando a cargo do número máximo de participantes por GT. A inscrição garante participação em todas as atividades do encontro durante os dois dias. Profissionais interessados em apresentar trabalho, devem explicar um pouco de sua experiência na ficha de inscrição e a equipe do evento entrará em contato para confirmação.

A coordenação é da produtora cultural Lorena Saavedra, que contou com apoio de Ed Guerreiro (músico, produtor e pesquisador em Direitos Autorais), Junior Oliveira (Docente da Universidade Estácio em Economia Criativa), Melissa Barbery (Coordenadora do curso de Artes Visuais da Unama), Thiago Kunz (Diretor Executivo do Fab Lab Belém) e Vitor Blanco (Arquiteto, idealizador do projeto "Papo de Arquiteto), que juntos estão criando o coletivo Amazônia Criativa.

O projeto conta com o Patrocínio do Banco da Amazônica, através do Edital Cultural 2017, apoio do Governo do Estado, através do espaço das Oficinas Curro Velho, e parceria da Rede de Economia Criativa Brasil (REC Brasil) e Solar Colaborativo.

Feira de economia criativa reúne donas das marcas

Mulheres empreendedoras dominando a cena da economia criativa. Diversidade de produtos e preços acessíveis são os atrativos da Feira das Donas, que será realizado neste domingo, 18, no Espaço Cutural Apoena. O evento é uma parceria entre o Apoena e a marca Multifário. Na programação cultural tem show da  cantora e compositora Lariza Xavier, que também é expositora, com a marca ZX Amazônia.

Foram convidadas empreendedoras donas de negócios próprios, com produções em diversos ramos como  moda, artesanato, artes plásticas, confecções, brechó e acessórios. “Será a primeira vez que o Apoena abre suas portas para um evento como esse. Decidimos apoiar a ideia por fomentar uma cadeia de economia criativa da nossa cidade e dar uma força para as mulheres a frente desses negócios”, frisa Ana Paula Guerreiro, sócia-proprietária do Espaço Cultural Apoena.

Roberta Mártires levará as produções da Multifário para a feira. O crochê é sua principal ferramenta, mas passeia também pelo macramê, tricô e fiação, com a técnica foi criada pela própria dona dá marca.

“A intenção é fugir do padrão das peças do crochê comuns, resignificar uma técnica antiga com uma construção mais atual e fazer peças que podem modificar sua identidade, um colar pode virar faixa, uma blusa pode virar saia”, explica Roberta, a dona de marca de acessórios Multifário,  Roberta Mártires.

Dentre as demais marcas que vão participar da feira estão Alba Rocha, marca de acessórios artesanais e exclusivos; Alumia, com cadernos artesanais; Tinta Preta, marca de estampas com ilustrações autorais, dentro da estética do graffiti;  Verde Musgo, que trabalha com terrários, agricultura e permacultura urbana; Kaboquinhas, acessórios artesanais; Soul Bazar e JackBazar.

Serviço
Feira das Donas. Neste domingo, 18 de junho, domingo, às 16h, no Espaço Cultural Apoena. Av. Duque de Caxias, 450, esquina da Antônio Barreto (altos). Entrada franca até 18h. Ingressos a R$ 10. Informações:(91) 3347-4624 / 982136071 / 9 8158-0829. 

14.6.17

Festival Latinidade recebe Arraial do Pavulagem

Foto: Tereza e Aryanne Fotografia
O mês de junho é sua morada. O Arraial do Pavulagem, que surge de um sonho há mais de três décadas, é a atração do Festival Latinidade e  festa Malagueta na Cuia, nesta sexta-feira, 16, a partir das 21h, no Espaço de Show Fiteiro/Doca. A programação abre com a banda de Benitez, formada por Bruno Mendes (bateria e percussão), Beto Taynara (contrabaixo) e Jó Ribeiro (trombone e piano).

Bruno Benitez, o anfitrião recebe Ronaldo Silva: compositor, músico e cantador, Junior Soares: compositor, músico e cantador, Marcelo Fernandes: guitarra, Rubens Stanislaw: contrabaixo, Rafael Barros: Percussão e Franklin Furtado: Percussão. 

Ao longo de 30 anos de existência, o Arraial do Pavulagem desenvolve ações de educação cultural na Amazônia que contribuem para transmitir e fortalecer o saber oral tradicional, com uma leitura contemporânea através de linguagens como a dança, a música e a visualidade cênica.

Em quase uma década de atividades, o Instituto coloca na rua seus principais projetos: os cortejos de cultura popular Cordão do Galo (janeiro), Cordão do Peixe-Boi ( no final de março), Arrastão do Pavulagem (junho) e Arrastão do Círio (outubro). Os cortejos somam-se a oficinas, palestras, seminários, pesquisas, projetos de extensão, rodas cantadas, ensaios, mostras e shows, que valorizam e propagam as manifestações artísticas da Amazônia.

Para o "Festival Latinidade", a banda traz ritmos de origem diversas que se transformaram na música latina de raiz brasileira. É xote, quadrilha, toada de boi e o carimbó, incorporando referências também de outros folguedos do Brasil.

Foto: Dah Passos
O grupo também acaba de lançar pela lei Semear, via Natura Musical, o “Arraial do Pavulagem – Livro de Músicas”, que reúne 42 composições assinadas por Júnior Soares e Ronaldo Silva, os fundadores do grupo. 

Os trabalhos foram selecionados a partir dos discos gravados da banda e transformam palavra escrita em permanência, em recurso para ampliar o acesso de estudantes e professores e toda uma geração de pessoas interessadas em percorrer com o Pavulagem essa jornada musical pelos territórios de afetos da Amazônia, porque é desse lugar e dessa natureza a música praticada pelo grupo.

A sonoridade que ecoa é um ato criativo lapidado nas experiências de parceria e pesquisa, no laço tecido na reverência aos mestres de cultura popular, cujo saber e talento inspiram o repertório do Arraial do Pavulagem.

Bruno Benitez traz repertório miscigenado

Foto: Caio Romano
Além do Arraial, Bruno Benitez também entra em cena com repertório mais tradicionalmente latinos, como o merengue, cúmbia e clássicos do cancioneiro latino. O músico também interage com o público falando sobre os ritmos, de como surgiram e como chegaram até a nossa Amazônia.

Completando 20 anos de carreira, e acumulando participações em importantes trabalhos na cena musical de Belém (dentre eles o grupo Mundo Mambo e Arraial do Labioso), Bruno Benitez segue a carreira solo e lança este ano o 2º CD, intitulado “Miscigenado”. Tal qual o título do CD, Bruno Benitez, filho de um uruguaio com uma paraense, e trará neste CD um som com sangue latino e alma amazônica.

O repertório que passeia desde a cúmbia, carimbó, até o Tango e a Salsa, vem sendo apresentado em shows e no Festival Latinidade. Bruno Benitez busca não simplesmente ter um repertório diverso, mas a criação de hibridismos sonoros que façam referência às variadas identidades culturais, que formaram não só a sua personalidade artística, mas que também são componentes culturais de uma Amazônia mestiça e globalizada, que pouco a pouco vai se descortinando para o Brasil e para o mundo.

Idealizado pela MM Produções, o Festival Latinidade tem incentivo da Lei Tó Teixeira, Prefeitura de Belém e patrocínio da Unama, instituição do Grupo Ser Educacional, a programação do festival que ainda terá mais dois shows no mês de julho.

Serviço
“Festival Latinidade” apresenta a festa “Malagueta na Cuia”, com Bruno Benitez e Arraial do Pavulagem. Nesta sexta, dia 16 de junho. Realização da MM Produções, com incentivo da Lei Tó Teixeira, Prefeitura de Belém e patrocínio da Unama, instituição do Grupo Ser Educacional. Ingresso R$ 20,00. No Espaço de Show Fiteiro (Doca), às 21h. Ingressos R$ 20,00. Mais informações: 91 3355.8668.

A ocupação e gestão de espaços culturais x cidade

O planejamento e a gestão de um espaço cultural e ainda a ocupação artística e a relação desses lugares com a cidade e com o público são temas das oficinas “Planejamento e Gestão de Espaços Culturais e a Relação com a Cidade” e “Exercício de Gestão de Espaços Culturais”, que serão ministradas nos dias 15 e 22 de junho, das 15h às 22h, no Casarão Viramundo - Trav. Capitão Pedro Albuquerque, n. 318, Cidade Velha (entre Rodrigues dos Santos e Ângelo Custódio).

Indicada para gestores de Espaços Culturais, a oficina “Planejamento e Gestão de Espaços Culturais e a Relação com a Cidade” tem uma proposição de metodologias de planejamento, com vistas a uma apropriação democrática da cidade. 

Pensar de forma articulada a gestão de cada um dos espaços culturais, a relação destes entre e si e as ações coletivas na cidade. Discutir o direito à cidade a partir da dimensão cultural e a noção de território usado – em atenção aos territórios usados por agentes culturais, em contraposição a uma noção de território estruturado pelas forças de econômicas e de poder. 

Já a oficina “Exercício de Gestão de Espaços Culturais” é direcionada a agentes culturais inseridos em coletivos e casas de cultura. Elis de Miranda utilizará a experiência da concepção do Galpão Cultural da Universidade Federal Fluminense em Campos dos Goytacazes (RJ), a partir de uma das metodologias de planejamento participativo e gestão associada. 

A oficina traz como proposição a aplicação de uma metodologia de gestão de espaços coletivos criados por agentes que atuam na cidade a partir da dimensão cultural, a fim de proporcionar articulações internas ainda não percebidas, bem como identificar pontos convergentes entre os demais grupos e o mais importante, como cada um dos grupos atua na cidade e a relação com outras instâncias do Estado e da Sociedade.

As oficinas serão ministradas pela Elis de Araújo Miranda, coordenadora do Projeto de Implantação do Galpão Cultural da UFF/Campos; professora do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Regional, Ambiente e Políticas Públicas (PPGDAP/UFF/CAMPOS), doutora em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR\UFRJ, e que atualmente está desenvolvendo pesquisa como Pós-Doc no Núcleo de Altos estudos Amazônicos (NAEA/UFPA).

A realização é do NAEA\UFPA, por meio de Elis de Miranda, em parceria com o Casarão Viramundo, e com apoio do Circular Campina Cidade Velha e Holofote Virtual - blog arte, mídia e comunicação. A carga horária é 8 horas e há apenas 25 vagas para cada um dos dias.

Como fazer a sua incrição

Envie para o e-mail holofotevirtual@gmail.com os seguintes dados: nome completo, idade, coletivo que participa (não é obrigatório ser de um coletivo), experiência artística (se houver) e algumas linhas sobre o seu real interesse na oficina. 

A forma de pagamento pode ser depósito bancário ou no local, desde que haja o comprometimento de participação. Outras orientações serão enviadas em respostas a inscrição recebida pelo e-mail acima. 

O valor é colaborativo e será repassado ao Casarão Viramundo: R$ 20,00 dia 15 (gestores) e R$ 10,00 dia 22, para artistas e agendes culturais. As inscrições estão abertas, para participar é preciso solicitar a ficha de inscrição pelo e-mail: holofotevirtual@gmail.com. Mais informações: 91 98134.7719.

Serviço
Oficinas “Planejamento e Gestão de Espaços Culturais e a Relação com a Cidade” (Gestores, investimento: R$ 20,00), no dia 15, e “Exercício de Gestão de Espaços Culturais”, (agentes culturais e artistas. Investimento; R$ 10,00), no dia 22. No Casarão Viramundo - Trav. Capitão Pedro Albuquerque, n. 318, Cidade Velha (entre Rodrigues dos Santos e Ângelo Custódio). Das 15h às 22h - 25 vagas cada. Ficha de inscrição e orientações pelo e-mail: holofotevirtual@gmail.com.. Mais informações: 91 98134.7719.

13.6.17

Figueroas (AL) é atração no 1o ano da Lambateria

Lançada no dia 16 de junho de 2016, a Lambateria comemora nesta quinta, 15, seu primeiro aniversário. É a 53ª edição e a festa contará com as atrações residentes DJ Zek Picoteiro, o grupo Os Safos da Capital e Félix Robatto que recebe o duo de Lambada Figueroas, de Alagoas.

Abrindo a noite, a roda de Carimbó do grupo Os Safos da Capital, que esquenta a festa com seu som raiz que mistura um repertório de cânticos tradicionais e pop desse gênero paraense. Félix Robatto e seu Conjunto também estará na programação de aniversário da festa que comemora 53 edições ininterruptas. 

O repertório já é conhecido do público da Lambateria e mistura Guitarrada, Lambada, Cumbia, Merengue, Carimbó e Brega, além de músicas autorais como “Eu Quero Cerveja”, “Seu Godofredo” e “A Gente Chama de Lambada”. O som da festa será comandado pelo DJ Zek Picoteiro que reúne uma playlist com as  músicas dançantes latino-amazônicas que são sucesso nas pistas de dança.

Na fonte da música caribenha e paraense

Depois do encontro do rock de Sammliz e o brega de Nelsinho Rodrigues, da Tecnoguitarrada de Lucas Estrela com a música erudita-pop do cantor Afonso Cappelo de do duo Figueroas com Félix Robatto, a programação de aniversário segue animada durante todo o mês.

Formado por Givly Simons (vocal) e Dinho Zampier (orgão, sintetizador e arranjos), o Figueroas agradou o público logo no primeiro álbum, Lambada Quente (Läjä Records/ Deck) 2015), que mistura a lambada paraense a sons latinos e brasileiros com a psicodelia e as influências próprias, como as do Mestre Vieira, Aldo Sena e o grupo caribenho Les Aiglons, sempre com muita irreverência. 

O novo álbum, “Swing Veneno”, (Läjä Records e Deck), traz melodias aceleradas, recheadas de frases de guitarra, efeitos de teclado e letras pegajosas tendo a lambada sempre presente, misturada a gêneros que a influenciaram como a Cumbia, o Carimbó e o Brega. É a mistura desses dois álbuns e sua peculiar irreverência que o duo Figueroas vai apresentar na Lambateria de aniversário.

Aniversário ganha comemoração o mês inteiro

Na quarta quinta-feira de junho, dia 23, a Lambateria promove o seu Arraial com a banda Forró das 3 e Meia que recebe a cantora e compositora paraense Lariza Xavier e o reencontro da banda La Pupuña. 

Encerrando o mês de aniversário, na última quinta de junho, dia 30, a Lambateria promove o encontro da Orquestra Pau e Cordista de Carimbó com a Orquestra de Violoncelistas da Amazônia, mostrando a mistura entre a música erudita com a cultura popular.

Serviço
A Lambateria#1 ano com Figueroas (AL), Félix Robatto, Os Safos da Capital e DJ Zek Picoteiro será nesta quinta-feira, 15 de junho, a partir das 20 horas no Fiteiro (Av. Visconde de Souza Franco, 555). Shows a partir das 21h30. Lote promocional a R$ 20,00, 2º lote a R$ 25,00, 3º lote a R$ 30,00 e ingressos no dia a 3º lote a R$ 35,00. Vendas antecipadas no Sympla. Informações: (91) 98026-1595 / fb.com/lambateria.