17.11.08

Taberna São Jorge abre espaço para a produção cultural de Belém


A exposição "Redesenho", do artista plástico Simões, será aberta nesta terça-feira, 18, na Taberna São Jorge, depois de ter ficado por um mês na Fundação Casa Antar Rohit. A idéia de levar a exposição para lá foi da fotógrafa Walda Marques, proprietária do espaço, que pretende com isso fortalecer a idéia de transformar a Taberna em um novo espaço cultural de Belém.

Bem maior do que o anterior e com uma decoração inteiramente lúdica, a Taberna São Jorge vem fazendo, desde sua inauguração, em outubro deste ano, inúmeras programações culturais como, por exemplo, a performance com bonecos, de Jefferson Cecim, que esteve em cartaz até a última sexta-feira.

Para esta semana, além da abertura da exposição "Redesenho", a Taberna já agendou para o dia seguinte, dia 19, uma apresentação do pianista Paulo José Campos de Melo que vai improvisar no piano "O Garoto", de Charles Chaplin.

E tem muito mais por aí, avisa Walda. Mas ela, no entanto, faz questão de alertar. "A casa não tem a intenção de ser um point. Aqui eu toco músicas antigas, de preferência de 60 anos atrás. Preservar a memória do lugar é meu maior interesse", afirma.

De acordo com a fotógrafa, a idéia de transformar o restaurante em espaço dedicado às artes cultural já era antiga. Vem do endereço anterior onde funcionava, mas só agora com a mudança para o novo endereço, na Rua Félix Roque, está sendo possível concretizar tudo que ela já sonhava há muito tempo.

"Isso aqui era um galpão e estava sem função alguma quando o aluguei. Tive certeza de que era onde eu gostaria de fazer este investimento, pois faz parte da minha trajetória esta preocupação em revitalizar imóveis antigos. Moro em uma residência que tem este mesmo perfil. Reciclo lixo, aproveito móveis da Emaús aqui e tudo que pode ser reaproveitado me interessa" , diz Walda, entusiasmada com o novo projeto.

"Redesenho" revitaliza trajetória do artista

O convite feito por Walda e aceito por Simões, para abrir a "Redesenho" na Taberna São Jorge tem tudo a ver com tudo isso. "Não deixa de ser uma revitalização, neste caso, para mim", brinca Simões. Ele estava há quase uma década sem pintar e a exposição "Redesenho" marca seu retorno do artista às artes plásticas. Durante este tempo ele esteve tomado pelos afazeres de empresário, gerenciando o bar Café Imaginário.

Foi, aliás, no Café Imaginário, quando o estabelecimento ainda funcionava na Alameda Santa Maria de Belém, que Walda Marques e Simões se conheceram pessoalmente e iniciaram uma parceria. Assim que entrou no espaço, ela logo sugeriu e acabou realizando o projeto de iluminação do espaço do Imaginário, dedicado à arte. A partir daí, os dois têm feito outros trabalhos juntos.

Simões acredita que no espaço Taberna São Jorge, um público mais variado terá condições de ver seu trabalho. Na Casa Antar Rohit, Simões já pôde sentir a repercussão junto ao público, mas muitos admiradores não conseguiram visitá-la dentro do horário comercial em que funcionava, abrindo-se agora a oportunidade.

Na abertura da programação desta terça-feira, na exposição "Redesenho", o público poderá poder conferir obras inéditas, em que Simões resgata o desenho, utilizando-se de muitas cores, marca registrada de sua obra. São, ao todo, 18 trabalhos, a maioria em grande formato.

Simões nasceu em Belém e expõe desde 1976, tendo participado de diversos salões em mostras individuais e coletivas. Entre elas, exposições no Museu Nacional do Rio de Janeiro; Salão da Prefeitura de Belém- PA e Salão de Pequenos Formatos da Unama _ PA.

Abertura da exposição "Redesenho", do artista plástico Simões - Nesta terça-feira, a partir das 20h, na Taberna São Jorge - Rua Félix Roque, numero 268, na Cidade Velha - é aquela rua que sai ao lado da Assembléia Legislativa. Mais informações: 3222.9400.

3 comentários:

Anônimo disse...

Só há pouco tempo este anônimo ficou sabendo do fechamento do Café Imaginário. Fiquei me perguntando para onde iriam os orfãos do lugar. Será que a Taberna seria uma opção?

Luciana Medeiros disse...

Caro anonimo (13:06), acho uma boa opção, mas é bem diferente da codulta que havia no Imaginário.
Passe lá pra ver a exposição!

Maviael Melo disse...

Bom dia Luciana

Meu nome é Maviael Melo, pernambucano radicado na Bahia há cerca de três anos. Cantador há mais de 20 anos, com apresentações em diversas cidades de Pernambuco, Bahia, Paraíba e Rio de Janeiro, dentre outros estados. As apresentações, sempre recheadas de poesias e cordéis, além de belas músicas, já renderam diversas premiações em Festivais, dentre as quais, o 1º Lugar no Festival Edésio Santos, em Juazeiro, na Bahia, e as terceiras colocações no X Festival de Música e Ecologia da Ilha Grande, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro; no Festival Geraldo Azevedo da Canção, em Petrolina, Pernambuco, no Festival de Violeiros da Chapada Diamantina, em Seabra e no Festival de Ibotirama, na Bahia, respectivamente com as canções Ave Rio, Chegou a Vez, Tempo Lamento e Mané, Maria e Luar, entre outros.

Pedagodo e Educador Ambiental, publiquei recentemente através do Instituto de Gestão das Aguas e Clima da Bahia – INGÁ, o Cordel da Água, utilizando-o como instrumento de Educação Ambiental nas escolas da rede publica de ensino em diversos municípios baianos, e também assina parte da trilha sonora do DVD Ética e Ecologia, do teólogo e ambientalista Leonardo Boff, também produzido pelo INGÁ.

Maviael se destaca pela sua performance, não só como compositor e intérprete, mas também como um exímio escritor e declamador de cordéis, tanto recitando versos de sua autoria, como de outros escritores e cordelistas, a exemplo de Chico Pedrosa, Antonio Aurélio de Moraes e outros.

É cordelista e ministra oficinas de cordel para professores de como trabalhar cordel em sala de aula. Além de oficinas de cordel com temas voltados para a Educação Ambiental.

Veja mais:
www.maviaelmelo.blogspot.com


Literatura de Cordel no Fórum Social Mundial - Instrumento de Educação Ambiental

Lançamento do Cordel das Aguas - na Biblioteca da UFPA - das 16 às 18h em Belém do Pará, durante o Fórum Social Mundial

Programção Oficial:
http://www.fsm2009amazonia.org.br/programacao/atividades-culturais/poesia-e-leituras

Na oportunidade o Cantador e Cordelista Maviael Melo (www.maviaelmelo.blogspot.com)

fala das experiências com a Literatura de Cordel em Sala de Aula, utilizado como instrumento de sensiblização e educação, além de declamar causos e em cordéis executar canções autorais,,,


Na verdade... estou procurando algum espaço em belém durante o período do Fórum pra mostrar o nosso trabalho...

E vi qua Taberna tem um pouco desse perfil de trabalhos originais e alternativos

Saudações