28.1.09

Salas na UFRA abrigam as artes plásticas do FSM


O Prédio Central da UFRA tornou-se uma imensa galeria de arte que, durante o Fórum Social Mundial, estará aberta aos mais de 90 mil participantes. Corredores, escadarias, salas. Tudo estará ocupado por mostras de fotografia, telas e instalações.

A primeira das exposições e a maior delas é logo visualizada à entrada, no hall e chama-se “Olhares Cruzados”, proposta por Aline Magna Miranda de Oliveira (São Paulo -SP). Esta mostra reúne fotografias e reprodução de objetos de arte produzidos por crianças brasileiras, e bolivianas, malianas, senegalesas, angolanas, moçambicanas, congolesas e haitianas que participaram de oficinas de fotografia e criação para estabelecer o conhecimento recíproco.

Estes trabalhos já geraram seis livros e diversas exposições no Brasil: na CIAD de Salvador, no Festival de Arte Negra de Minas Gerais, entre outras, e no exterior: Bélgica, França, Mali, Senegal, Congo RDC, Haiti, Moçambique, Bolívia. Entretanto é a primeira vez que é realizada uma mostra completa do projeto.

O projeto Olhares Cruzados iniciou em 2004, e o primeiro livro: Brasil-Africa Olhares Cruzados foi lançado pela MInistra Matilde Ribeiro no Forum Social Mundial de Porto Alegre conjuntamente com uma exposição no Museu de Arte Moderna do Rio Grande do Sul. A mostra que estaremos apresentando em Belém será inaugurada nesta quarta-feira pelo MInistro Edson Santos da Secretaria Especial de Políticas de Promoção para a Igualdade Racial. Por ocasião da abertura será lançado o 7o. livro da série: Kalungas-Casamance Olhares Cruzados.

No corredor da Ala A, está, entre outras, a instalção “Somente o Amor salvará o mundo”, de Luciana Magno (Belém-Brasil) composta por 12 fotografias em sequências que expressam através da cor vermelha, a força, a vontade, o desejo. “Um gesto simples de reforço do que já estava ali para tornar vivo o amor outra vez. Como uma metáfora das nossas próprias vidas”.

Na sala RT02, pode-se ver outra instação, “Gente grande não brinca com boneca assim!”, de Wellington Romario da Silva Alves (Belém-PA) que propõe uma reflexão/manifesto à injustiça social a través de bonecas penduradas, que tomam o lugar das crianças, denunciando abusos à infancia.

Já a exposição de A exposição Joana Angélica de Oliveira Dorn (Belém) traz fotografias em “Um Povo Chamado Assuiriní e a “Escravo” que mostra fotografias, proposta por Carlos Alberto Teixeira Nunes, do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho – SINAIT (Brasilia – DF). Nas fotos, estão retratados aspectos do combate ao trabalho escravo realizado por auditores fiscais do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.


Na sala RT 01 “Quintais Marajoaras”, de Marcionila Mendes de Almeida, da CelebArt-Pará (Belém - PA), traz telas telas com formato tradicional e experimentações de formatos com abjetos reciclados recolhidos nas ruas de Belém como madeira, papelão , latas , sementes, miriti e vários outros.

As exposições se espalham ainda pelo segundo andar do prédio principal, onde está a exposição do artista plástico Lomont que transfere seu amor pela Terra das Amazonas, para suas telas e nos apresenta a Região com toda a sua beleza e seu realismo, às vezes, dantesco: ora são florestas, ora são os rios, os furos, os igarapés e os paranás na sua beleza Selvagem.

FSM 2009 - até dia 1 de fevereiro na UFRA e na UFPA.

Um comentário:

marceliorocha disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.