8.1.10

Evento debate pirataria e troca de experiências na área da videoarte

Com objetivo de investigar a economia informal e pirata como situação para inserção, visibilidade, acesso e circulação de trabalhos de vídeo voltados para o campo das artes plásticas, o coletivo Filé de Peixe realiza neste sábado, 09, e domingo, 10, o Piratão Vide Convergências, na cidade de Belém do Pará.

Há anos se dedicando a projetos de ocupação de espaços artísticos não convencionais, o coletivo trabalha com o projeto Piratão.

Em seis meses, já realizou o evento em três estados e regiões do país: na cidade do Rio de Janeiro(RJ), no Viradão Carioca e na inauguração do Museu da Maré; em Porto Alegre(RS), na Desvenda - Feira de Arte Contemporânea; e na cidade do Recife(PE), no SPA das Artes 2009.

Com a vinda do Piratão a Belém, o Norte se torna a quarta região do país integrada ao processo dedeslocamento e itinerância do projeto.

De acordo com Alex Topini, integrante do Filé de Peixe, o coletivo tem como interesse conhecer de perto as organizações audiovisuais de Belém, além de seus agentes culturais, artistas locais envolvidos na produção e difusão de vídeos e filmes.

Com isso busca a troca de experiências e de estratégias empregadas para se produzir e difundir bens audiovisuais, buscando uma aproximação capaz de gerar intercâmbio e inserção da produção videoartística nas atividades cineclubistas paraenses e a incorporação da produção de vídeo local ao projeto Piratão.

“Então, queremos convidar a todas a doarem seus vídeos para o projeto. Para isso, basta gravá-los em um dvd e levá-los até a nós”, explica Topini que estará em Belém participando do evento.

No encontro haverá diversos debates além da exibição de vídeos da mostra_convergências. No dia 10, domingo, a programação reinicia às 10h. Mais informações: Coletivo Etetuba - etetuba@uol.com.br

Programação

Local: ICA (Praça da República, s/n)
Data: 9 de janeiro - Auditório Altino Pimenta - E o público com isso?
Hora: 16h

Debates:

- “Senha: Compartilhe! – troca de experiências e poéticas subversivas amazônicas”
Palestrante: Arthur Leandro – artista visual e professor da UFPA – integra os coletivos Eutetuba e Rede Aparelho

- Corpo como lugar da experiência Palestrante: Camila Mello – Videoartista, integra o coletivo Mergulho

- O arquivo na Arte hoje
Luiz Cláudio da Costa – professor e pesquisador da UFRJ , coordena o proejto arquivar

-Pirataria Aplicada: processos de difusão e acessibilidadeno campo da videoarte
Mediador: Alex Topini, representante do Coletivo Filé de Peixe

Um comentário:

Cris Moreno disse...

Lu, preciso com urgência do telefone(cel) e e-mail do Januário Guedes. Tens por aí? meu e-mail: cristmoreno@gmail.com
Agradeço, beijos.