7.10.09

O encontro foi possível

Há pouco mais de uma semana, o encontro entre Mestre Vieira e Herbert Vianna emocionou o pequeno grupo de pessoas que esteve presente no estúdio da AM&T – Academia de Música e Tecnologia, em Belém. Era um sonho antigo do mestre, conhecer de perto e conversar com o guitarrista do Paralamas do Sucesso.

A oportunidade começou a surgir quando eu estava em uma comunidade quilombola, acompanhando uma das apresentações do projeto Bonecos na Estrada – Em Caravana, do grupo In Bust – Teatro com Bonecos.

A diretora do grupo, Adriana Cruz, vira pra mim e diz: “O Paralamas vem a Belém junto com Titãs”. Eu, que ainda não tinha a informação, na hora só consegui pensar que esta poderia ser a chance de realizar um desejo de Mestre Vieira, manifestado ainda em 2008.

De volta a Belém, comecei a buscar os caminhos que me levariam a José Fortes, o empresário do grupo com quem conversei durante duas semanas. Foram vários e-mails e muitos telefonemas, até que conseguíssemos chagar a uma definição. Não havia muita resistência, pelo contrário. Fortes fazia questão de dizer que eles conheciam o trabalho do Mestre, mas tudo dependeria de como estávamos encaminhando as coisas por aqui.

Ganhei apoio de Michele Maia, Taca Nunes, José Carlos Gondim e Wanderson Lobato para organizar o encontro; de Kim Azevedo, da AM&T, que arrumou o estúdio que os recebeu, e ainda de Givaldo Pastana, que veio acompanhando Mestre Vieira de Barcarena. E ainda, do cinegrafista Marcelo Rodrigues, que desde cedo chegou ao estúdio para ajustar a fotografia da cena.

A ocasião chegou e convidei o jornalista Ismael Machado para acompanhar tudo, uma vez que pouco antes desse feito se concretizar, ele mesmo tinha cantado a pedra em sua coluna Parabólica, no Caderno Por Aí, do Diário do Pará (Edição de 18 de setembro). Junto com ele, veio ainda o fotógrafo Thiago Araújo.

Além de ser um grande parceiro, Ismael seria e foi o cara certo para escrever à respeito, como grande conhecedor que é do trabalho dos Paralamas e trajetória de Herbert, assim como a de Mestre Vieira e sua guitarrada. Tiro certo e como ele mesmo diria: Bingo!

O resultado foi um texto primoroso que reproduziu as emoções daquele dia à altura do que realmente foi. O belo registro, que também capturamos em áudio e vídeo, a fim de incluí-los no projeto de documentário sobre Mestre Vieira, logo se multiplicou virtualmente em blogs e outras dezenas de sites na internet.

Ainda que tardiamente, não poderia deixar de fazer o mesmo aqui no Holofote, incluindo mais algumas fotos daquele dia que vai ficar para sempre em nossas memórias e em pouco tempo também, esperamos, poderá ser visto por um público maior nas telas de cinema.

Segue então o texto de Ismael Machado

Duas Guitarras, um Brasil: Herbert e Mestre Vieira

“Então toca um pouquinho para mim para mostrar um pouco desse som”. Essa foi uma espécie de senha para que o velhinho de 75 anos pegasse a guitarra e começasse a mostrar os sons que encantaram ingleses, alemães, italianos, escoceses, portugueses e paraenses. Mestre Vieira começou devagar, mostrando a levada que o consagrou como o 'inventor' da guitarrada. À sua frente, Herbert Vianna, o guitarrista dos Paralamas do Sucesso, observa embevecido, fazendo a marcação com palmas. Não demora muito e Herbert também procura uma guitarra. Começa a dedilhar aos poucos, tentando acompanhar Vieira. Era o início de um histórico encontro de dois guitarristas aclamados em seus estilos e que tem em comum o amor incondicional pela música.

Herbert começa a tocar Alagados, a música que em 1986 abriu as portas do Brasil para os roqueiros brasileiros. Vieira sorri. Conhece a música e passa a acompanhá-la com solos peculiares. Herbert Vianna retribui o sorriso. Em pé, da porta do estúdio, o baixista dos Paralamas Bi Ribeiro acompanha o encontro.

Durante cerca de uma hora Herbert Vianna e Mestre Vieira trocaram informações, impressões e musicalidade. Brincaram com os instrumentos, mostraram novas e velhas músicas. Compartilharam solos.

A idéia partiu da jornalista Luciana Medeiros, que prepara um documentário sobre Vieira. “Foram duas semanas planejando esse encontro, mas está valendo muito”, diz ela.

O Diário teve acesso com exclusividade a esse encontro de dois mestres da guitarra. E testemunhou um pequeno show, com direito a músicas de Lulu Santos, RPM, Legião Urbana e, claro, Paralamas e Mestre Vieira.

Herbert mostra a Vieira uma música do disco novo. “Tem uma levada que é muito influenciada por esse estilo de guitarra”, diz. Depois toca “Como uma Onda”, de Lulu Santos. Vieira sola. Depois mostra a Herbert a clássica “Jamaicana”, uma das pedidas de seu repertório. Herbert faz a base da guitarra. “O importante é valorizar o solo de guitarra”, diz Vieira. E mostra “Maravilha”, outra música. Herbert pede para ele repeti-la. Cria um novo solo de guitarra na hora.

Foi um encontro repleto de emoção. Vieira chegou cedo, vindo de Barcarena. Almoçou em Belém e foi levado ao estúdio Academia de Música e Tecnologia. Conta histórias de quando começou a tocar, ainda menino. “Com 13 anos eu fazia a festa sozinho”, diz. Na Escócia foi coroado como o melhor guitarrista do mundo. “Já toquei choro, samba, tudo”, resume.

A produção do documentário organiza tudo para que a entrada de Herbert seja facilitada. Quinze metros de compensado são comprados para evitar que a cadeira sacoleje no corredor lateral da academia. Às 17 horas, Herbert chega. É recebido por Vieira. “Salve mestre”, cumprimenta. Vieira aperta a mão do colega músico e lhe deseja boas vindas. Entram no estúdio. Ali, acompanhados apenas por dois cinegrafistas, pela equipe do Diário, pela diretora do documentário e pelo técnico de som, iniciam um passeio musical inesquecível.

Antes Vieira conta um pouco de Barcarena, da travessia de barco. Fala de sua trajetória e de sua música. Herbert explica como gosta de tocar a guitarra. Vieira diz que não usa pedais de efeitos. “Minha guitarra é viva”, afirma. “Então toca um pouquinho”, responde Herbert.

A cada música um sorriso, um comentário. Um tenta seguir a idéia do outro. Um complementa a levada do outro. Ao redor, um silêncio completo, cercado por olhares de cumplicidade e emoção das testemunhas. Herbert toca Bundalelê, do disco Bora Bora, de 1987. Nessa música estão inseridos os elementos que mostram a influência que a música africana e caribenha tem sobre os Paralamas do Sucesso.

Vieira diz que tocou com Renato, querendo dizer Renato e Seus Blue Caps. Herbert entende como se fosse Renato Russo, o vocalista da Legião Urbana. E toca “Que País É Esse”, do repertório da banda brasiliense. É quando Vieira usa e abusa de um solo que impressiona profundamente Herbert Vianna. A música se estende num improviso único. Ao final, o cumprimento respeitoso de dois músicos que durante uma hora mostraram o poder da música. “Se até as pedras se encontram, a gente também vai acabar se encontrando”, diz Vieira. Herbert confirma. “Foi um encontro para a historia”, resume Kim Azevedo, o dono do estúdio ao olhar para o computador onde as improvisações dos músicos ficaram gravadas. “Para mim foi uma maravilha”, diz Vieira. “É como fazem os músicos africanos. Deixa rolar e viajar nas ondas sonoras”, filosofa Herbert.

Algumas horas mais tarde o líder dos Paralamas estava num palco maior, ao lado dos companheiros e da banda Titãs. Mas o show que certamente ficou na memória dos que puderam presenciar, foi feito ali, num pequeno estúdio com apenas dois guitarristas e seus instrumentos.

Texto publicado no Diário do Pará, em 27 de setembro

Nenhum comentário: