26.10.09

“Reverso” é o vencedor da 6ª Mostra Curta Pará

Ontem, no cinema Olympia, foram conhecidos os vencedores da Mostra Curta Pará Cine Brasil. O primeiro lugar ficou com curta-metragem maranhense “Reverso”, de Francisco Colombo, e recebeu o prêmio Banco da Amazônia de Melhor Curta-Metragem Brasileiro, no valor de R$ 1.000,00.

Também foram premiados os curtas “Pelo Ouvido”, de Joaquim Haickel (MA); “Homens”, de Lucia Caus e Bertrand Lira (ES); “Muro”, de Tião (PE); e “Cães”, de Adler Paz e Moacyr Gramacho (BA).

Foi o público paraense que decidiu o vencedor do prêmio Banco da Amazônia de Melhor Curta-Metragem Brasileiro, dentro da Mostra Competitiva de Curtas-Metragens. (Já era de se esperar. Enquanto nos outros dias da mostra os curtas ficaram equilibrados no gosto do público, dividindo o número de votos, no primeiro dia, Reverso, de fato, foi o melhor da noite. L.M.).

O curta “Reverso”, de pouco mais de cinco minutos, sagrou-se vencedor ao cair no gosto da platéia com uma história simples, contada em um único plano sequência (termo que designa uma cena gravada sem cortes). E não foi só o público paraense que se identificou com a história de “Reverso”. Na 32ª edição do prestigiado Festival Guarnicê de Cinema, no Maranhão, o curta recebeu os prêmios de melhor filme e melhor ator, segundo o júri popular.

“Reverso” narra o encontro de um assaltante com seu assaltado que, de vítima, se reverte em algoz. O assaltante, negro, interpretado por Gilberto Martins, aborda o personagem do ator Antonio Saboia, branco, estudante universitário que filmava um bêbado no centro de São Luís. Na agonia diante da possibilidade de perder sua câmera, o estudante resolve negociar, apelando para uma pretensa igualdade entre os dois:

“A vida não é mole pra mim também não. No fundo, nós dois somos iguais”. É a deixa para o assaltante desferir duras palavras que tocam, indiretamente, na constituição da estrutura social brasileira. A questão sociorracial está presente na narrativa do curta, já que, segundo Francisco Colombo, “o assaltante sintetiza, em poucas frases, uma crítica ao sistema capitalista, e toda a história do povo negro, do povo africano que foi arrancado e trazido para cá para ser escravo”.

Além de “Reverso”, o segundo lugar do Júri Popular também é do Maranhão. Trata-se de “Pelo Ouvido” (foto ao lado direito), de Joaquim Haickel, que coleciona premiações nacionais e internacionais, incluindo os prêmios de melhor filme no Seattle International Film Festival e Syracuse International Film Festival (ambos nos Estados Unidos) e V Ibero Brasil Cine Festival (Espanha).

Para a coordenadora da Mostra Curta Pará, Márcia Macêdo, o fato de os curtas do Nordeste terem se destacado é um motivo a mais para se comemorar. “Isso reflete a situação atual da produção audiovisual, que está se descentralizando. As linhas de incentivo, alinhadas com o Ministério da Cultura, estão trazendo resultados muito interessantes. É muito bom verificar que o Nordeste está com uma produção de qualidade”, comemora Márcia.

Por causa disso, a coordenação da mostra já pensa em algumas novidades para a próxima edição da Curta Pará. “Na 7ª edição, queremos inovar no conceito geral da mostra. Vamos manter a Mostra Competitiva, com curtas de todo o Brasil, e abrir uma mostra competitiva para a produção do Norte e Nordeste. Isso cria uma integração entre as regiões e possibilita uma aproximação entre elas”, considera Márcia Macêdo.

O terceiro lugar ficou com o documentário “Homens”, que conta histórias de coragem vividas por homossexuais do interior nordestino. O filme de 22 minutos é uma produção capixaba dirigida por Lucia Caus e Bertrand Lira.

Júri Oficial - O Júri Oficial da Mostra entregou o Prêmio Associação dos Críticos de Cinema do Pará (ACCPA) ao curta-metragem pernambucano “Muro” (foto à esquerda), que tem direção e roteiro de Tião. Com imagens do sertão nordestino, intercaladas pela corrida espacial do homem à Lua e um muro de barro que impede a locomoção de alguns personagens, “Muro”, segundo o Júri Oficial, é um convite à reflexão.

“O júri privilegiou o tipo de cinema que faz o espectador pensar, que o instiga a refletir sobre o que o diretor quis dizer com as imagens expostas na tela”, argumentou Marco Antônio Moreira, presidente do Júri, logo após o anúncio da decisão.

Seguindo essa tendência, o Júri Oficial conferiu uma Menção Honrosa ao curta baiano “Cães”, dirigido e roteirizado por Adler Paz e Moacyr Gramacho. Livremente inspirado na obra do escritor e fotógrafo mexicano Juan Rulfo, o filme conta a história de um pai que carrega seu filho ferido nos ombros, em busca de ajuda. Fotografado em preto e branco, “Cães” chama atenção pelas belas imagens do sertão nordestino e por seus personagens fortes.

Na Mostra Competitiva de Curtas, 15 produções nacionais disputaram os votos do público e do Júri Oficial, formado por membros da Associação de Críticos de Cinema do Pará (ACCPA). Para escolher o vencedor da categoria Júri Popular, os espectadores da Curta Pará recebiam, na entrada do Cine Olympia, uma cédula de votação para escolher um dos curtas exibidos em cada noite.

A Mostra Curta Pará alcançou um público de duas mil pessoas em seus cinco dias de programação, com ingressos, vendidos no valor simbólico de R$ 0,25.

Fonte: Assessoria de Imprensa da 6ª Mostra Curta Pará Cine Brasil.

2 comentários:

Eduarda disse...

Olá,
Gostaria de parabenizar a iniciativa por parte dos organizadores das mostras de curtas que aconteceram em Belém, que esse ano foi excelente!

Gostaria, dessa forma, de saber através deste espaço de que forma que se pode ter acesso a esses filmes que foram exibidos durante esses dias? no caso, fiquei extremamente interessada em especial no curta "Homens" pois trabalho com projetos sociais com jovens que estão em processo de socialização,e precisamos através da Arte contribuir para o avanço psico-social destes! assim , por favor, gopstaria de saber de que forma poderia ter acesso a este documento??? Agradeço muito desde já a informação!

Luciana Medeiros disse...

Oi Eduarda, o e-mail de contato da mostra é 6mostra@caianafilmes.com

de qualquer forma também estou encaminhando um e-mail à produtora da mostra com sua solicitação, ok?

um abraço

Luciana Medeiros