11.7.24

Basa dá início aos trabalhos com a Rouanet Norte

O Banco da Amazônia anunciou os três primeiros projetos que serão patrocinados pela instituição pelo edital Rouanet Norte. O evento realizado nesta manhã de quinta-feira, 11, contou com a presença da Ministra Margareth Menezes, outras autoridades, artistas e produtores culturais; e encerrou com apresentação surpresa do Boi Pavulagem. 

A iniciativa inédita, que destina recursos da Lei Rouanet exclusivamente para projetos e produtores da região Norte, representa uma conquista histórica. Em mais de 30 anos desde a criação da lei, é a primeira vez que um edital como este é realizado. 

Estiveram presentes no dispositivo da cerimônia desta manhã, além da ministra da Cultura, Margareth Menezes e do presidente do Banco da Amazônia, Luiz Lessa; o titular da Secretaria de Economia Criativa e Fomento Cultural do Ministério da Cultura, Henilton Menezes e a gerente da Central de Marketing e Comunicação do Banco da Amazônia, Ruth Helena Lima e a presidente da Fumbel, Inês Silveira. 

Ao todo, 125 projetos foram selecionados, com um aporte de 24 milhões de reais, sendo 6 milhões de cada uma das estatais envolvidas: Banco da Amazônia, Banco do Brasil, Correios e Caixa. 

“Queremos mostrar que é possível alterar a realidade das instituições centralizadas historicamente em apenas dois estados brasileiros. A partir desse ato,  a Rouanet está de fato nacionalizada. Fazendo assim, com que todos tenham acesso à esses recursos. A Região Norte precisa ter acesso à oportunidade de fomento para que o setor público cultural cresça. Essa região surpreende o Brasil por cada ação de cultura e artística que a gente reconhece e mostrando a diversidade e potência da criatividade do nosso povo, com as suas particularidades”, pontua a ministra da Cultura, Margareth Menezes.

Os três primeiros projetos patrocinados são:

Esse Rio é a Minha Rua: Proposto pelo grupo Palhaços Trovadores, levará espetáculos, oficinas e formação teatral para Breves, Curralinho, Portel e Afuá, na Ilha de Marajó.

Rodando com Carimbó: Idealizado por Joanna Gwendolyn Denholm, promoverá a circulação do carimbó por 10 municípios paraenses, valorizando e disseminando esse patrimônio cultural.

Tó Teixeira - Mergulho na Vida e Obra: Proposto pela Kamara Kó Fotografias Ltda, será uma exposição híbrida sobre o compositor negro paraense Tó Teixeira, no Museu da Imagem e do Som (MIS) em Belém.

São 14 iniciativas do Amapá, 33 do Pará, 14 do Acre, 20 do Tocantins, 14 de Roraima, 15 do Amazonas e 15 de Rondônia. O formato bem sucedido aqui no Norte, será aplicado “também nas regiões Nordeste e Centro Oeste”, afirmou Margareth Menezes.

Centro Cultural do Basa inaugura em 2025

Luiz Lessa, presidente Banco da Amazônia deu uma outra boa noticia para o setor cultural, a criação do primeiro centro cultural do banco, que também vai manter espaços culturais em diversas outras agencias espalhadas pela região. 

A inauguração do Centro Cultural Banco da Amazônia está prevista para 9 de julho de 2025, celebrando o 83° aniversário da instituição. "E estará localizado no prédio sede, na Avenida Presidente Vargas, um dos principais corredores culturais de Belém", ressalta Lessa. 

10.7.24

Show com acessibilidade em Belém e Mosqueiro

O cantor e compositor com deficiência Márcio Moreira está de volta a Belém para mais duas apresentações. Nesta quarta-feira (10), às 20h, no Teatro do CCBEU. E na sexta, 12, abrindo os trabalhos do final de semana no Coreto da Vila, em Mosqueiro, às 21h. O show promete ser um esquenta para o verão na Ilha. Com a pegada de trio elétrico, sucessos como “A Luz de Tieta” e “Beleza Rara” já estão garantidos no repertório.

A vinda do paraense, que hoje mora no Rio de Janeiro, à terra natal, também é motivada pela gravação do clipe da música “Areia”, uma composição de Ricardo Rocha produzida por Luiz Lopez. Este é o primeiro Carimbó da carreira do artista, que escolheu Ver-O-Peso, Estação das Docas e Praça do Relógio, entre outros pontos turísticos, como cenários do clipe. 

“É um desejo de mostrar para o Brasil as belezas da minha cidade. Quero apresentar a minha Terra para o resto do País. Um Brasil que o Brasil desconhece”, destaca Márcio. Para fomentar a inclusão, o clipe traz também um casal de dançarinos com Síndrome de Down como protagonistas. O pré-lançamento da música já está garantido nos shows desta temporada pela cidade.

 Inclusão por meio da música

O Show Interno apresenta um trabalho que tem a acessibilidade como ponto focal. A proposta é levar as Pessoas com Deficiência (PcD) para dentro de espaços culturais e proporcionar uma experiência acessível para todos os públicos, uma bandeira de luta do artista. 

Cheio de poesia e swing, a apresentação terá como convidados as pessoas com deficiência intelectual e múltipla da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Belém e da Associação Paraense das Pessoas com Deficiência (APPD) e Associação de Surdos de Ananindeua (Asan). 

Ao público, Márcio apresenta um repertório com canções poéticas e autorais, músicas do seu primeiro disco (“Repartir”), clássicos paraenses, além do resultado da mais recente parceria musical de Márcio Moreira com o cantor João Cavalcanti: a música “Desacato à Geografia”, dedicada aos amigos que estão longe. Outro destaque do show é a banda composta exclusivamente por mulheres, bem como as vozes femininas de Camila Barbalho, Gigi Furtado e Iva Roth, como participações especiais no show.

Para fomentar ainda mais a proposta de ocupar lugares de arte com deficientes, o show contará com acessibilidade arquitetônica, por meio de rotas acessíveis, com espaço de manobra para cadeira de rodas, rampas e elevadores adequados. Além disso, durante todo o espetáculo, haverá intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras) e recepcionistas para auxiliar na mobilidade dentro do espaço no teatro. Também foram contratados profissionais com deficiência e profissionais especializados em acessibilidade cultural.

O show Interno tem fomento cultural do Governo Federal, por meio do Ministério da Cultura; da Prefeitura de Belém, por meio da Fundação Cultural de Belém (FUMBEL) e da Lei Paulo Gustavo.  O apoio é da Fundação Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp).

Equipe Técnica 

Produção Geral: Márcia Tupinambá

Assessoria de Comunicação: Ize Sena 

Designer Gráfico: André Butter

Fotógrafo: Matheus do Nascimento Souza

Intérprete Libras: Tatiana Brito Mota, Ana Catarina Pinheiro Miranda

Recepção Acessibilidade: Stefanie Azevedo Maciel

Assessoria Contábil: Patrícia Passos da Costa Nascimento

Técnico de áudio e Som: Silvio Amorim

Serviço

Márcio Moreira apresenta o show INTERNO

Data: 10 de julho, quarta-feira

Horário: 20h

Local: Teatro do CCBEU

Endereço: Tv. Padre Eutíquio, 1309 

Ingressos gratuitos: https://www.sympla.com.br/evento/show-interno/2490855

Data: 12 de julho, sexta-feira

Horário: 21h

Local: Coreto da Vila

Endereço: Praça da Vila, Mosqueiro

Aberto ao público

5.7.24

Banda Floramor apresenta "Florescer Sagrado"

Fotos: Marilinda Barros
Manifesto em forma de canção que celebra a força e a beleza do feminino na música, no cenário autoral e do reggae paraense, a banda apresenta o show nesta sexta, 5 de julho, às 21h, na Kasa Mazé, em Belém.

Composta por Mayara Coimbra, Diogo Craveiro, Charles Santana, Ricardo Silva e Dayvid Campos,a banda traz um repertório que exalta a musicalidade paraense e o reggae, convidando o público a refletir sobre a importância e o poder das mulheres na música e na cultura local.

Mayara Coimbra, vocalista da banda, destaca a importância do empoderamento feminino na música, especialmente na cena autoral e reggae de Belém. "A música, principalmente esses gêneros, ainda é um universo majoritariamente masculino. Este show é uma forma de quebrar esse estigma e mostrar que as mulheres têm um lugar essencial e poderoso nesse cenário. Queremos inspirar outras mulheres a se expressarem através da música e a reivindicarem seus espaços."

Diogo Craveiro, guitarrista da banda, compartilha suas expectativas para o show e o que o público pode esperar. "Estamos muito animados para essa apresentação. O público pode esperar uma noite de muita energia, emoção e reflexão. Nosso repertório foi cuidadosamente selecionado para celebrar o feminino e o poder transformador da música. Será um momento de conexão e celebração para todos."

Ricardo Silva, baterista da Floramor, fala sobre a importância de os homens abrirem espaço para que mais mulheres possam adentrar no universo musical. "Nós, homens, temos um papel fundamental em apoiar e incentivar a participação feminina na música. É essencial reconhecer que, muitas vezes, as mulheres têm um destaque ainda maior que os homens, mas precisam lutar duas vezes mais para mostrar o seu talento. Estamos aqui para ajudar a mudar essa realidade e garantir que mais mulheres tenham a oportunidade de brilhar."

O show terá participação especial de Melyssa Albuquerque, cantora e compositora de música romântica e black music nacional e internacional. Natural de Marabá, Melyssa se apaixonou pela música ainda criança e atua profissionalmente desde 2022, apesar de estar envolvida com projetos artísticos desde os 13 anos. Ela se destacou no Festival de Música Popular Paraense em 2019 e no reality show "A Voz da Noite" em 2021, onde mostrou seu talento e dedicação à música.

Adriana Guedes, conhecida como Lady Dri, também será uma das estrelas da noite. Cantora de Belém desde 2005, Lady Dri iniciou sua carreira como Drika Guedes, passando por bandas como Naticongo e Tropical Reggae. Em 2019, lançou o projeto Lady Dri e, em 2021, iniciou uma parceria com a Marambaroot's, trazendo sua voz marcante e presença de palco para o evento.

A animação da festa ficará por conta da DJ France Almeida, uma artista que promove o empoderamento feminino e celebra a cultura reggae através de sua música e eventos. France deixa sua marca por onde passa, garantindo uma noite vibrante e inesquecível.

O evento "Florescer Sagrado" é realizado pela Floramor, com patrocínio do edital Cultura Livre, via Fundação Cultural do Pará e Governo do Estado. Os ingressos são colaborativos, com valor mínimo de R$ 5,00, permitindo que todos possam participar desta celebração única.

Serviço

Evento: Florescer Sagrado

Data: 5 de julho

Hora: 21h

Local: Kasa Mazé, Padre Eutiquio 2374, Entre São Miguel e Fernando Guilhon (Batista Campos) 

Ingressos: Colaborativos, valor mínimo de R$ 5,00

4o Marahu Lab abre inscrições para projetos

Reforçando a importância das Narrativas Amazônidas contadas pelos próprios habitantes da região, a 4ª edição do Marahu Lab ocorrerá de 24 a 27 de setembro de 2024, no Centro de Cultura e Turismo Sesc Ver-o-Peso, em Belém. As inscrições para o seu Laboratório de Desenvolvimento de Projetos são gratuitas e podem ser realizadas online até 28 de julho de 2024 no site marahu.com

O evento promete ser um espaço de formação, conexões e trocas de saberes entre os profissionais do audiovisual do Norte do Brasil.  Desde sua primeira edição em 2019, o Marahu Lab tem se dedicado ao desenvolvimento de projetos de ficção e documentário de realizadores da região Norte, oferecendo também programações abertas ao público através de painéis e masterclass, além de oportunidades de networking. 

O evento deste ano, que será totalmente presencial, visa a ser um propulsor para que novos participantes tragam suas histórias, sonhos e narrativas únicas, aprimorando ainda mais o cenário audiovisual amazônico. O objetivo do Marahu Lab é fornecer as ferramentas necessárias para que essas histórias ganhem vida e visibilidade, contribuindo para a valorização da cultura local. 

Com o apoio do Sesc Ver-o-Peso e do Projeto Paradiso, a 4ª edição do Marahu Lab se consolida como uma iniciativa essencial para o aperfeiçoamento profissional do setor audiovisual na região Norte, promovendo o desenvolvimento e a formatação de projetos de cinema e televisão. O evento é organizado pela produtora independente Marahu Filmes e patrocinado pela Secretaria de Cultura do Estado Pará (Secult). 

Serviço

Sesc Ver-o-Peso receberá a 4ª edição do Marahu Lab 

Inscrições: até 28/07/2024 no site marahu.com 

Data de realização: 24 a 27/09/2024 

Local: Centro de Cultura e Turismo Sesc Ver-o-Peso (Boulevard Castilhos França, 522/523 - Campina) 

Informações: (91) 3084-0472 (Centro de Cultura e Turismo Sesc Ver-o-Peso) 

Site: sesc-pa.com.br 

3.7.24

Inscrição para programa de gestores encerra sexta

Encerra nesta sexta-feira (05.07) o prazo de inscrições para o “Gestores em Movimento” em Belém. O programa visa à capacitação de músicos, estudantes de música e administradores da área cultural em gestão de teatros, orquestras e salas de concerto. As inscrições são gratuitas e os interessados podem realizar a inscrição no site www.gestoresmovimento.com.br. O resultado será divulgado no dia 15 de julho.

O programa oferece 30 vagas para aulas presenciais e online. O primeiro módulo será presencial, no período de 25 a 30 de julho, na Fundação Amazônica de Música, localizada na Av. Governador Magalhães Barata, 1022, no bairro de Nazaré.

Idealizado e coordenado pelo maestro e compositor João Guilherme Ripper, o programa associa conhecimentos musicais, programação artística, administração, planejamento artístico e orçamentário, produção e pós-produção. “Em cada lugar que vamos, adaptamos a capacitação à realidade local. Em Belém, consideramos as várias instituições, como escolas de música e teatros, além das diversas manifestações musicais e culturais. Incorporamos esses elementos nas nossas discussões, juntamente com outras questões trazidas pelos participantes, para que o ‘Gestores em Movimento’ seja o mais proveitoso possível”, destaca o maestro.

O “Gestores em Movimento” tem o patrocínio do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e é dividido em três módulos, abrangendo temas como produção cultural, escolha de repertórios, planejamento artístico e orçamentário, formatação de projetos nas Leis de Incentivo, comunicação, captação de recursos, noções básicas de economia da cultura, entre outros.

No primeiro módulo, que será realizado no próximo mês, serão realizadas palestras, culminando na divisão dos participantes em equipes para a criação das salas-oficinas. O segundo módulo, previsto para agosto (05 e 23/8), de forma online, será dedicado à tutoria e ao acompanhamento das salas em seu trabalho de elaboração, programação e produção dos concertos que serão apresentados na conclusão.

Já o terceiro e último módulo, denominado "Festival Gestores em Movimento", proporcionará aos participantes a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos durante a capacitação. Eles serão responsáveis pela organização dos concertos, incluindo programação, produção, divulgação e condução do evento. O Festival Gestores acontecerá nos dias 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2024 em Belém, encerrando a segunda edição do programa Gestores em Movimento na capital paraense.

Para maiores informações visite o site www.gestoresmovimento.com.br e o Instagram @gestores.em.movimento.

Serviço

O que: Inscrições gratuitas para o Programa Gestores em Movimento em Belém

Quando: até 05 de julho de 2024.

Onde: www.gestoresmovimento.com.br

Público-alvo: músicos, estudantes de música e administradores da área cultural.

Esse é o do encerramento das inscrições.

(Informações da assessoria de imprensa)

2.7.24

"As Origens da Lambada" no canal de Youtube

O documentário conta o nascimento da Lambada no Pará durante a década de 70, um gênero musical que ganhou fama mundial. O projeto, patrocinado pelo edital Natura Musical, através da lei estadual de incentivo à cultura do Pará (Semear), com apoio da Fundação Cultural do Pará e do Governo do Pará, estreia na internet nesta quarta-feira, 03 de julho.

Após ser exibido no festival internacional de documentário musical In-Edit 2023 e na TV aberta, o filme de Félix Robatto e Sonia Ferro será lançado online às 9 horas. Dirigido pelo guitarrista e pesquisador musical Félix Robatto e pela jornalista e produtora cultural Sonia Ferro, o documentário narra um capítulo significativo da música brasileira, acompanhado pelas músicas de Robatto.

O documentário inclui cenas gravadas em outubro de 2019 durante o Festival Lambateria em Belém do Pará.  “O projeto inicial era o meu DVD e teríamos entrevistas sobre a Lambada como extras. Quando percebemos a riqueza dos depoimentos dessa história que ainda é muito desconhecida, decidimos transformar o DVD em um documentário e usar minhas músicas para embalar o filme”, explica Robatto. 

O filme apresenta depoimentos de figuras fundamentais da Lambada, incluindo técnicos de som, produtores e músicos como Pinduca, conhecido como o Rei do Carimbó e o primeiro a lançar uma música do gênero, o produtor musical Jesus Couto, o radialista Waldo Souza, e o baiano Luiz Caldas.

"Este documentário vai além de registrar nossa cultura; ele dá crédito aos mestres que criaram a Lambada, contada por quem realmente viveu a época," diz Sonia Ferro. "Foi incrível ver as histórias se complementando e esclarecendo o surgimento da Lambada, com informações valiosas das fichas técnicas dos discos."

"As Origens da Lambada" já foi exibido no Festival In-Edit 2023 e na TV Cultura do Pará e agora está disponível no canal do YouTube do artista. O documentário foi selecionado pelo edital Natura Musical, junto a projetos como Azuliteral, Daniel ADR, Raidol e Festival Elas no Comando. Até 2021, a plataforma apoiou mais de 75 projetos no Pará, incluindo Manoel Cordeiro, Dona Onete, Pinduca e Thaís Badú.

Félix Robatto é fundador da banda La Pupuña em 2004, produtor musical, que assina o CD "Treme" de Gaby Amarantos, indicado ao Grammy Latino 2012, e o quarto CD de Lia Sophia. Fez a direção musical do primeiro DVD do Mestre Vieira, criador da Guitarrada. Seu álbum solo "Equatorial, Quente e Úmido" foi lançado em 2015, seguido de "Belemgue Banger" em 2016. O músico também criou a festa Lambateria e fundou o Clube da Guitarrada, em 2018. Em 2022, dirigiu o álbum "Gaby Amarantos canta Tecnoshow", vencedor do Grammy Latino 2023 de Melhor Álbum de Raiz em Língua Portuguesa.

Serviço

Lançamento do documentário “As Origens da Lambada”. No Canal de Youtube Félix Robatto. Nesta quarta, 03 de julho de 2024 (quarta-feira), às 9 horas. Mais informações: @felixrobatto e @lambateria

1.7.24

Dica: workshop “Produzindo Podcast com Celular”

Rodolpho Sanchez ministra um workshop de podcast produzido com celular, nos dias 2 e 3 de julho, no Sesc Ver-o-Peso. Inscrições  gratuitas no Sesc Ver-o-Peso - Boulevard Castilho França - Bairro da Campina. Os encontros acontecerão das 18h às 21h. 

O podcast tem se mostrado uma nova mídia social, um meio de informação e entretenimento. O Brasil é um dos países que mais ouve o formato no mundo segundo o Global Web Index, empresa de pesquisa de público. 

“Uma das principais plataformas de áudio, o Spotify, disponibiliza de forma gratuita a possibilidade de ter um canal no seu site. Hoje em dia todo mundo tem um celular com acesso a internet, então o custo é zero pra começar a compartilhar suas ideias e visão de mundo”, comenta o radialista e produtor Rodolpho Sanchez. 

O workshop além de mostrar como gravar, editar e disponibilizar o conteúdo nas principais plataformas de áudio, também abordará o processo de criação, da produção do roteiro a divulgação nas redes sociais. 

Rodolpho Sanchez é radialista, criou e apresentou por três anos, junto com a jornalista Lohana Assunção, o “Égua do Programa” na Rádio Sorriso FM em Icoaraci, periferia de Belém. Ministrou aula no curso técnico de Rádio e TV da Escola de Comunicação Papa Francisco, no Projeto Cenas de Paz da Fundação Paraense de Radiodifusão – FUNTELPA. Atualmente mora em São Paulo onde concluiu o curso de locução pelo SENAC e Educomunicação pela USP.

Serviço

Workshop Produzindo Podcast com Celular - Importante: É necessário levar celular e fone de ouvido. 

Local: Sesc Ver-o-Peso (Boulevard Castilho França, 522/523 – Campina)

Data: 02 e 03 de julho (terça e quarta-feira). 

Hora: 18h às 21h.  

Mostra a céu aberto para ficar perto do Olympia

Olympia de Rua em junho
Fotos: Oswaldo Forte
As obras de requalificação iniciaram em março e a expectativa para a reinauguração aumenta, mas isso só vai ocorrer em 2025. Enquanto isso, a ideia é levar o público para perto do cinema, oferecendo uma nova experiência, neste domingo, 7 de julho, a partir das 18h.

O Olympia de Rua é iniciativa da Prefeitura de Belém e do Instituto Pedra. Até 2025, antes da reinauguração do cinema, serão realizadas 10 sessões gratuitas, na rua, bem em frente ao cinema, que fica próximo à Presidente Vargas e do Theatro da Paz. É neste lugar que o público vai conferir, neste domingo, mais cinco filmes de diretores de Belém, com a curadoria de Marco Antônio Moreira, presidente da Associação de Críticos de Cinema do Pará – ACCPA. 

A sessão abre com o vídeo clipe “Arraial Do Pavulagem – Boi Da Estrela” (2024), com argumento e direção de Leandro Moreira e Junior Soares. Depois vamos curtir as animações “Contos Mirabolantes – O Olho Do Mapinguari”, de Andrei Miralha e Petronio Medeiros; e “Apoptosis” (2023), de Brenda N. L. Bastos; além de “Ribeirinhos do Asfalto”, de Jorane Castro;  e “Olhares do Norte Pará – Episódio 1 - Miguel Chikaoka”, documentário de Fernando Segtowick. 

Faça lua ou chuva, na dúvida leve sua cadeira

A primeira mostra foi realizada no domingo dia 9 de junho, mesmo debaixo de chuva. As 100 cadeiras disponibilizadas foram ocupadas. Nesta segunda edição, que inicia às 18h, também haverá 100 lugares disponíveis para sentar, por isso se atrasar, a dica é levar a sua própria cadeira. O público também terá à disposição uma estrutura coberta, banheiros químicos, equipe de segurança e primeiros socorros, intérprete de LIBRAS, além de sistemas profissionais de projeção e som. 

O evento contará com representantes da Prefeitura de Belém, do Instituto Cultural Vale, do Banco da Amazônia e do Instituto Pedra, instituições parceiras do projeto. “Além de ser um ótimo programa cultural e uma oportunidade de conhecer mais sobre a cinematografia paraense, esses encontros serão uma forma de manter o público belenense e todos os fãs do cinema por dentro das atualizações do processo de restauração. O retorno do Olympia em 2025 já é uma realidade e todos estão convidados a participar desse processo”, ressalta Luiz Fernando.

A requalificação do Cinema Olympia

Visita à obra em 24/04, 112 anos do Olympia
Foto: Holofote Virtual/LM
Várias frentes compõem esse trabalho, entre eles a restauração e modernização tecnológica do espaço – incluindo medidas de acessibilidade –, a elaboração de um plano de manutenção, gestão e programação cultural, além da realização de um programa educativo com visitas monitoradas e a produção de um videodocumentário sobre a história do próprio Cinema Olympia.

A gestão do projeto de requalificação do Cinema Olympia é feita pelo Instituto Pedra, em parceria com a Prefeitura de Belém, por meio da Fumbel – Fundação Cultural do Município de Belém, e apoio do IPHAN, com patrocínio master do Instituto Cultural Vale e copatrocínio do Banco da Amazônia, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O projeto também foi selecionado pelo edital Resgatando a História, do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento.

Serviço

Mostra de Cinema Olympia na Rua

Quando: 2ª edição será domingo, 7 de julho de 2024, às 18h

Local: Rua Arcipreste Manoel Teodoro, 918, Campina (em frente ao Cinema Olympia)

Entrada: gratuita e por ordem de chegada

Lotação: 100 pessoas sentadas

Intérprete de LIBRAS: sim

Classificação: Livre

28.6.24

Pássaros Juninos pousam na Pça Batista Campos

A programação se espalha pela cidade 
A II Mostra Cultural do Arraial Tamo Junto e Misturado, abre hoje, às 19h30, no Memorial dos Povos, e neste sábado, 29, estarão na Praça Batista Campos, os Pássaros Tucano e Colibri do Outeiro, a partir das 20h. Vai até domingo, 30, confira! 

Além da Praça Batista Campos a II Mostra Cultural do Arraial Tamo Junto e Misturado, realizado pela Prefeitura de Belém, a partir de hoje vai se espalhar por mais nove espaços em bairros de Belém, a Sala Vicente Salles, no Memorial dos Povos, e os distritos de Icoaraci e Mosqueiro. 

As apresentações prometem encantar o público, garantindo momentos de alegria e celebração. É também uma oportunidade ao público que deseja vivenciar de perto a riqueza da cultura de Pássaros e Bichos, fortalecendo as tradições locais e incentivando a participação da comunidade. 

Criados no Pará pela própria população, os Pássaros Juninos e os Cordões de Bicho são manifestações culturais que envolvem apresentações teatrais, danças e encenações, assim se tornando grandes espetáculos folclóricos da Amazônia. Protagonizadas por integrantes vestidos com fantasias, os grupos são compostos por dançarinos, músicos, brincantes e artistas, homenageando os pássaros da região. 

Memorial dos Povos e Praça Batista Campos

A programação da segunda mostra inicia hoje, sexta, 28, a partir das 19h30, na Sala Vicente Sales, no Memorial dos Povos, com a apresentação do Coletivo Pássaro Junino Ararajuba e do grupo cultural Pássaro Junino Tem Tem do Guamá sobe no palco para se apresentar.

“Estamos com uma programação diferenciada. Esperamos que todos possam se deliciar com as apresentações que serão realizadas. Os pássaros e os cordões são resistência. Lutamos para que essas manifestações se perpetuem por muitos e muitos anos nos bairros de Belém”,  declara Antônio Ferreira, guardião do Pássaro Junino Tem Tem do Guamá.

No dia 29, sábado, muda-se o local, e a programação será na Praça Batista Campos, com apresentações do grupo Pássaro Tucano, de Iracema Oliveira, e O Pássaro Colibri de Outeiro, da guardiã e também mestra Laurene Ataíde. No dia 30, na Sala Vicente Salles, no último dia da programação, o grupo Pássaro Junino Pequeno Guará iniciará o evento pela manhã, às 10h. Retomando às 18h, o Pássaro Junino Suindara encerrará as apresentações realizadas no Memorial dos Povos.

Do Marco ao Ver o Rio e Distritos

Nesta sexta, 28, iniciando às 20h, a programação contará com as apresentações do Grupo Cordão De Bicho Oncinha, na Toca da Onça (Rua Santa Isabel, 615 - Icoaraci) e do Grupo Pássaro Junino Sabiá, na Sede 1º De Dezembro Futebol Clube, no bairro Marco.

No dia 29 de junho, além das apresentações do Tucano e do Colibir do Outeiro, na Praça Batista Campos, também haverá, às 18h, apresentação do Grupo Pássaro Junino Beija Flor, que se apresentará no Auditório do Colégio Zacarias Assunção, no bairro do Guamá. O Grupo Cultural Cordão de Bicho Bacu se apresentará na Praça Matriz, em Icoaraci, às 19h. 

“Nossas crianças estão ansiosas para se apresentar nesta semana. Nossos preparativos estão indo de vento e poupa, todo mundo já está pronto e estamos só aguardando essa grande oportunidade que a Fumbel está nos dando. Eu agradeço muito por esse momento que temos de mostrar a nossa cultura e faremos uma grande apresentação”, declara Maria Rita, Guardiã do Grupo Cultural Cordão de Bicho Bacu.

No dia 30, a Embaixada de Samba do Império Pedreirense terá as apresentações do Pássaro Junino Papagaio Real,  às 19h, e do  Pássaro Junino Rouxinol, às 20h. Ainda no dia 30, o Grupo Junino Cordão de Pássaro Tem-Tem do Outeiro se apresentará às 20h no Ponto de Cultura Casa da Mestra Zula (Avenida Paulo Costa nº 2217 - Outeiro), enquanto o Pássaro Junino Pavão se apresentará às 21h no Ponto de Cultura Acena (Conjunto Maguari, Alameda Dezenove, 14). Encerrando a programação, o Pássaro Junino Pavão também estará se apresentando no Ver-O-Rio, às 17h30.

Mostra Cultural II - Pássaros Juninos e Cordão de Bichos

Sexta - 28/06 

19h30 - Grupo: Coletivo Pássaro Junino Ararajuba.

20h30 - Grupo: Pássaro Junino Tem Tem Do Guamá.

Local: Sala Vicente Salles - Memorial dos Povos

Icoaraci

28/06 - 20h - Grupo: Cordão De Bicho Oncinha.

Local: Toca Da Onça (Rua Santa Isabel, nº 615 - Icoaraci) 

Bairro do Marco

28/06 - 20h - Grupo: Pássaro Junino Sabiá.

Local: Sede 1º De Dezembro Futebol Clube (R. Jabatiteua, 251 - Marco)

Sábado, 29

Praça Batista Campos

29/06 – 20h - Grupo: Pássaro Tucano + Cordão De Pássaro Colibri De Outeiro.

Guamá

29/06 - 18h - Grupo: Pássaro Junino Beija Flor.

Local: Auditório Do Colégio Zacarias Assunção (Rua Barão De Mamoré, S/N - Guamá)

Icoaraci

29/06 - 19h - Grupo:Grupo Cultural Cordão De Bicho Bacu.

Local: Praça Matriz - Icoaraci

Domingo, 30

30/06 - 10h - Grupo: Pássaro Junino Pequeno Guará. 

30/06 - 18h  - Grupo: Pássaro Junino Suindara.

Local: Sala Vicente Salles

Bairro da Pedreira

30/06 - 19h - Grupo: Pássaro Junino Papagaio Real. 

Local: Embaixada De Samba Do Império Pedreirense

30/06 - 20h - Grupo: Pássaro Junino Rouxinol. 

Local: Embaixada De Samba Do Império Pedreirense

Outeiro

30/06 - 20h - Grupo: Grupo Junino Cordão De Pássaro Tem - Tem Do Outeiro.

Local: Ponto De Cultura Casa Da Mestra Zula (Avenida Paulo Costa Nº 2217 - Outeiro)

Conj. Maguari

30/06 - 21h - Grupo: Pássaro Junino Pavão. 

Local: Ponto De Cultura Acena (Conjunto Maguari, Alameda Dezenove, nº 14

Ver-o-Rio

30/06 - 17h30 - Grupo: Pássaro Junino Pavão. 

Local: Ver-O-Rio 

Arte de Casa em Casa traz territórios a Icoaraci

Depois de percorrer 04 municípios paraenses – Apeú-Castanhal, Quatipuru, Salvaterra, Marabá - e 01 Distrito de Belém – Mosqueiro -, o Arte de Casa em Casa, projeto selecionado pelo Edital de Artes Visuais da Lei Paulo Gustavo - Secult-Pa, chega agora ao berço de sua origem, o espaço cultural Na Casa do Artista, em mais um distrito da capital paraense, Icoaraci, onde a programação de encerramento do projeto ocorrerá neste sábado, 29 de junho, a partir das 18h, com entrada gratuita.

A programação de abertura, neste sábado, 29 de junho, inicia às 18h, com a roda de conversa “Arte e Território”. Em seguida haverá vernissage da exposição NACASA, que traz ao público, trabalhos de artistas de Icoaraci e convidados das cidades pelas quais o projeto passou, além da apresentação do Cordão de Bicho Oncinha e venda de maniçoba, mingau de milho e caruru para celebrar o Dia de São Pedro, com arte e cultura popular.

O público vai conferir as obras dos artistas de Icoaraci. Participam os fotógrafos Carlos Henrique Gonçalves, Simone Machado e Mateus Machado, além do mestre ceramista Levy Cardoso. E também terá oportunidade de ver de perto, alguns dos trabalhos expostos nas exposições montadas em outros municípios.

Werne Souza na curadoria com Levy Cardoso,
mestre ceramista de Icoaraci
Estarão presentes as obras de Marcone Moreira e Armando Queiroz, que participaram da exposição “Ponto a Ponto”, no Pontal Instituto Cultural, espaço de referência das artes em Marabá; e de Ettiene Angelim, gestora da Taberna Marajó, que recebeu o projeto em Salvaterra e que também expôs suas fotografias na mostra “Este é Meu Lugar”.

Deste mesma mostra de Salvaterra, em Icoaraci, haverá obras dos artistas marajoaras Pompeu e Belmiro Gama. E ainda, trabalhos de Gilmar Lopes, artista que reside em Castanhal e de Margareth Gondim, que além de expor, assina também as montagens das exposições realizadas ao longo do percurso do projeto.

Os Desafios de viver de arte na periferia da Amazônia

O curador com Simone Machado, do registro
audiovisual do projeto e expositora em Icoaraci.
Realizar encontros de arte com exposições visuais e rodas de conversa sobre temas culturais, sociais e políticos é sempre um desafio, especialmente na periferia do mundo, como no Distrito de Icoaraci, na Amazônia. O idealizador e coordenador do projeto, Werne Souza, diz que o Espaço Cultural Na Casa do Artista, localizado nesse território, enfrenta essas dificuldades há 12 anos, promovendo eventos que trazem aprendizado e experiências valiosas. 

Portanto, de acordo com ele, expandir essas atividades para além da Casa e conectar-se com outros espaços que enfrentam desafios semelhantes não é apenas um ato de solidariedade, mas uma estratégia para criar uma rede cultural ativa e visível. E o projeto Arte de Casa em Casa mirou justamente tornar esses espaços mais visíveis e ativos, realizando exposições e rodas de conversas em locais diversos, enfrentando o medo inicial e ganhando confiança com o engajamento de artistas e públicos locais.

Obra do artista Belmiro Gama, na Taberna 
Marajó em Salvaterra. 
“O mais enriquecedor foi encontrar outros espaços de arte durante essas viagens e conhecer coordenadores talentosos e engajados. Esses encontros reforçam a necessidade de fortalecer e apoiar essas iniciativas. O projeto também promoveu a colaboração entre artistas renomados e novos talentos, proporcionando encontros raros e enriquecedores”, comenta Werne Souza, idealizador e coordenador do projeto.

Exposições como "Em Composição" com Rosângela Brito e Lu Vila em Mosqueiro, e "Ponto a Ponto" com Armando Queiroz e obras de Tereza Bandeira, entre tantos outros artistas, em Marabá, 10 ao todo, exemplificam o sucesso do projeto em criar pontes entre artistas e comunidades.  Além disso, a exposição "Casa às Escuras" com o artista cego Gilmar Lopes em Vila do Apeú, sob curadoria de Luis Fernando Carvalho, destacou também o compromisso com a acessibilidade e inclusão. 

Cássia Costa, em Quatipuru - trabalho com restos
de madeira trazidas pelo rio
Descobrir artistas talentosos como Cássia Costa em Quatipuru e Belmiro Gama em Salvaterra, além de promover exposições em Icoaraci com Marcone Moreira, valoriza os artistas periféricos e enriquece o projeto. Ao todo foram 24 artistas envolvidos, além de espaços que acabaram sendo mapeados durante a estadia do projeto nas cidades. Foi o caso do Monóluco da Vovó, em Quatipuru, e o Acalanto, em Marabá.

“Foram diversos territórios e estilos envolvidos, assim como o apoio de pessoas fundamentais na produção e comunicação foi crucial para o sucesso do projeto. Esperamos que esta iniciativa fortaleça o Espaço Na Casa do Artista como parte de um circuito independente de artes, promovendo a formação de público, espaços culturais e o comércio de arte. Trocar experiências com outros espaços é vital para fortalecer a produção, promoção e divulgação da arte, especialmente nas periferias, fora dos circuitos tradicionais dos centros urbanos”, conclui Werne.

Uma retrospectiva de percurso 

ACasaÀsEscuras, curadoria colaborativa com Luiz
Fernando Carvalho, na Vila Apeú - Castanhal
Ao todo foram 06 exposições realizadas, com curadoria de Werne Souza, idealizador do Arte de Casa em Casa, uma feita de forma compartilhada com Luiz Fernando Carvalho, em Castanhal, 24 artistas conectados, 90 pessoas envolvidas em rodas de conversa e 50 horas de estrada. O Projeto Arte de Casa em Casa dá início a sua execução em fevereiro deste ano, com a realização de uma oficina virtual de acessibilidade atitudinal que obteve cerca de 30 pessoas inscritas. 

Em março, veio a itinerância, que parte de Icoaraci em direção ao nordeste paraense. Primeiro chegando a Apeú, em Castanhal, e ainda em março, a Quatipuru. Em abril, o projeto chegou a Mosqueiro e Salvaterra e, em maio, a Marabá. Em junho, o ponto de chegada é o ponto de partida e vice versa.

“Além da interação e inclusão, o projeto teve como objetivo fundamental o fortalecimento de espaços culturais que surgiram a partir da iniciativa de artistas e produtores culturais buscando proporcionar o acesso à arte e desenvolvimento da própria produção, seja na perspectiva de venda, seja para expressar sua a arte e formação de público”, diz Auda Piani, coordenadora de produção do projeto, também gestora do espaço Na Casa do Artista.

As exposições realizadas e espaços ocupados

Apeú-Castanhal – Foi a primeira parada do projeto e que acabou se desdobrando em duas exposições intituladas CasaÀsEscuras, uma individual do artista Gilmar Lopes, no Ponto de Cultura e Memória Estação Apehu História, Humor e Arte, e CasasÀsAcesas, coletiva de Werne Souza, Galvanda Galvão e Lúcia Gomes, na Galeria Ery Holanda. A exposição permaneceu aberta para visitação por um período de 15 dias e a temática para roda de conversa e exposição foi Acessibilidade.

Quatipurú – A exposição “Arte e Democracia”, com mesma temática em sua roda de conversa, foi aberta na Galeria Direitos Humanos, casa da artista Lúcia Gomes que expôs, ao lado Simone Machado, Galvanda Galvão e Cássia Costa. A exposição permaneceu por mais de 30 dias no espaço.

Roda de Conversa c/ Rosângela Brito em Mosqueiro
Mosqueiro - Ao visitar o espaço para conhecer antes de incluir no roteiro, o Curador Werne Souza percebeu a rica produção e tradição em pintura da família Vila, o que definiu o tema e a convidada especial, a professora Rosangela Brito, uma referência nessa técnica. Com título "Em Composição", o Curador priorizou obras de pintura, apesar de incluir outras técnicas. A exposição contou com a participação de 08 Artistas.

Salvaterra - Diversidade e Identidade definiram a ação no Marajó, o que se refletiu nas obras apresentadas e no título da exposição: "Este é o meu lugar", com a participação dos artistas locais Ettiene Angelim, Belmiro Gama, Pompeu, e os artistas Galvanda, Lúcia e Werne Souza. A roda de conversa teve a participação de referências como Mestre Damasceno e contou com 25 pessoas em média. A exposição permaneceu por 20 dias no espaço, administrado por Ettiene Angelim.

10 artistas na exposição do Pontal Instituto
Cultural em Marabá
Marabá - Foi um dos locais com maior participação de artistas pelo próprio histórico do espaço, o Pontal Instituto Cultural, e a referência de artistas que despontaram a partir do movimento artístico estabelecido na cidade. Participaram 10 artistas da exposição que trouxe como título “Ponto a Ponto”. A roda de conversa teve a participação de 20 pessoas e o tema escolhido foi um relato sobre o espaço cultural Na Casa do Artista, visto como um espaço que reverberou  sua experiência e fez trocas com espaços congêneres. 

Artistas envolvidos no projeto: Ettiene Angelim, Pompeu, Belmiro Gama, Armando Queiroz, Marcone Moreira, Rosangela Brito, Gilmar Lopes, Lúcia Gomes, Galvanda Galvão, Cássia Costa, Margareth Gondim, Lu Vila, Marcos Vila, Rolando Vila, Vila Filho, Leo Vila, Antônio Botelho, Domingos Nunes, Jonas Barros, Rildo Brasil, Lucas Wilm, Tereza Bandeira, Simone Machado, Werne Souza. 

PROGRAMAÇÃO

18h – Roda de Conversa “Arte e Território” – Auda Piani, Levy Cardoso e Erasmo Borges 

20h - Vernissage da exposição NACASA

20h30 - Apresentação do Cordão de Bicho Oncinha 

Obs: Venda de maniçoba, mingau de milho e caruru para celebrar o Dia de São Pedro

Ficha Técnica

Werne Souza – Idealizador, curador e coordenador

Auda Piani – Coordenação de Produção

Margareth Gondim - Produção e montagem das exportações

Simone Machado - Registros videográficos e fotográficos 

Luciana Medeiros  - Comunicação

Agradecimentos -  Deyse Botelho, Amanda Gondim e Camila Fialho.

Serviço

Arte de Casa em Casa – Projeto selecionado pelo Edital de Artes Visuais da Lei Paulo Gustavo - Secult-Pa - Abertura da exposição “NaCasa”, no Espaço Cultural Na Casa do Artista - Rua Padre Júlio Maria,163 – Cruzeiro Distrito de Icoaraci.